então é (quase) natal.

eu juro. se encontrar mais alguma porcaria, na internet ou nas vitrines, clamando conter cristais swarovski, eu vou gritar.

também queria entender qual é a do rebuliço em torno do bagulho. me lembro de uma certa menininha que anunciava aos quatro ventos o fato de que seus brincos tinham "cristais swarovski autênticos". me pergunto por que diabos ela agia como se tivesse um diamante pendurado na orelha quando, na verdade, os "cristais swarovski" não passam de pedaços de vidro superfaturados. poupe-me.

estamos quase na metade de dezembro e pelos blogs já rolam posts sobre o natal. eu adoro as festas de fim de ano. mesmo quando eu era pequena e minha mãe me costurava dois figurinos cafonas dos anos 80, um para o natal, e outro para o ano novo. nunca descobri a necessidade de ter "roupa nova" para essas ocasiões, já que eu quase sempre ficava em casa, enchendo o bucho diante de uma mesa cheia de comida com meu pai, enquanto mamãe se enfiava na festa familiar da casa em frente à nossa.

adoro as luzes de natal. a felicidade simples de avistar, lá pelo final de novembro, a primeira janela enfeitada do ano, com os "pisca-piscas" comprados nas lojas americanas. a onipresença do papai noel nos anúncios de tv e outdoors. a classe "C" se deslocando para fuçar as prateleiras das lojas de 1,99 na rua da alfândega. remoer a dívida: fazer o tradicional peru ou inovar e assar um pernil? (e acabar, invariavelmente, fazendo o peru de novo) shoppings lotados (mesmo que eu não aprove o consumismo, adoro o furdunço). especiais cafonas de fim de ano. panetone, castanhas e bacalhau nos supermercados. o cheiro das rabanadas assando. encher o saco da mãe para, mais uma vez, fazer um pudim de leite. decorar a árvore fora da fórmula "20 bolas vermelhas + pisca pisca multicolorido + 3 tipos de enfeites, 5 de cada" (na minha árvore eu penduro pequenas coisas que gosto, como brinquedos, conchinhas da praia de rozel, os items mais vistosos da minha coleção de botões, souvenirs brega de viagem que trago ou ganho do british boy...). expectativa.

a parte chata são os filmes natalinos contemporâneos, carregados daquela glicose norte americana e de criancinhas chatinhas que "não deixam a magia natalina morrer". por mim a magia pode ficar, mas os diretores/roteiristas que apelam pra esses clichezões xaroposos podem morrer ontem. dessa leva eu acho que só Home Alone se salva. :)

os alemães são conhecidos por celebrar o natal com estilo. aqui a comilança rola na noite do dia 24 (como no brasil), e não no dia 25 como na inglaterra, por exemplo. foi aqui que nasceram os mercados natalinos (weihnachtsmarkt), que se espalham pelas cidades vendendo comida, bebida (principalmente cerveja e gluhwein, um vinho quente com açúcar e especiarias), bolos como típico stollen alemão, meias, gorros, cachecóis e luvas de lã, e toda a sorte de objetos de decoração de natal, alguns tradicionalmente esculpidos em madeira. achei essa foto no yvestown:



é uma típica "pirâmide de natal" alemã. quando se acendem as velas da base, o calor da chama ativa as hélices no topo (lembram-se das aulas de física? ar quente sobe, ar frio desce, etc) e toda a cena natalina começa a girar, iluminada pelas velinhas. em uma palavra: adorável. os tamanhos, modelos e cenas variam muito, de acordo com a habilidade e criatividade do escultor (os preços também variam muito, claro). o ebay tem vários modelos lindos.

eu tenho algo parecido; não é uma pirâmide, não é alemão, nem é de madeira, mas o mecanismo é o mesmo. comprei na gift shop do museu skansen de estocolmo: quando as velas se acendem, os anjinhos giram e tocam nos sininhos da base. o som resultante é tão simples quanto mágico. apesar de o meu candle chime ser igualzinho, a foto abaixo não é minha (ainda não fotografei o meu); encontrei-a num site de artigos escandinavos chamado ingebretsen's, onde o kit custa menos de 30 reais:



enfim, tenho visitado vários mercados natalinos, comido e bebido (principalmente cerveja e porco assado, hehe), mas não compro nada. tudo é muito bonitinho, pitoresco e adorável, mas se eu for pôr na sacola tudo o que cai nessa categoria, vou falir em meia hora, minha casa vai se encher (ainda mais) de entulhos e se transformar num "museu de tralhas do mundo".

porém, sábado passado, no mercado de natal de potsdamer platz em berlin, eu não pude resistir:


oi, eu tenho 10 anos e essa é a minha casa de bonecas.
tá legal, eu confesso: essa é mais uma.

hm. talvez aquela idéia de "museu de tralhas do mundo" nem seja tão má. :)

1 comment

  1. Lolla, que 10 anos nada... Eu adoro colecionar coisas de boneca, se bem que... eu tenho 13 anos haha. Mas suas fotos de bonecas são *perfect*, mas o meu comentário ficou muito *eca* :P

    ReplyDelete

Os comentários são moderados para evitar spam. ♥