God save the Flag

Minha mais recente obsessão atende pelo nome de Union Flag.


{foto by kitschen pink}

Muita gente considera essa como sendo a "bandeira da Inglaterra" quando na verdade a Union Flag, como já diz o nome, representa todo o Reino Unido (incuindo Escócia, Irlanda do Norte, Gales e a Inglaterra propriamente dita). A verdadeira bandeira da Inglaterra é bastante sem graça. Também é comum chamar a Union Flag de "Union Jack", mas esse nome só é plenamente correto se a bandeira estiver hasteada num navio.

Pelo visto a bandeira está na moda; para onde quer que o ser humano olhe, encontra a dita cuja em forma de bolsa, camisa, jaqueta, almofada, quadro, geladeira, caneca e até assento sanitário.


Ontem pirei e comprei duas bolsas na New Look; faz tempo que eu estava interessada, mas esperei até entrarem em promoção. Essa à esquerda, bem grande, espaçosa e cheia de bolsos internos e externos, muito boa pra bater perna por aí e poupar minhas bolsas mais caras (até parece que eu não tenho em casa uma dúzia de outras bolsas baratas pra escolher, mas deixemos quieto); e essa pequenina à direita, de paetês, onde só cabe mesmo dinheiro, chaves e celular, e por isso mesmo perfeita para dançar (justiça seja feita, eu não tinha nenhuma bolsa assim). Estou pensando em tirar essa alça sem graça e substituir por uma correntinha, o que vocês acham?



E essa bolsa de maquiagem aqui eu comprei na Accessorize no subsolo do Trocadero, em Piccadilly. A loja está fechando (até porque abriram outra, maior, no primeiro andar) e, por isso, a bolsinha só me custou duas libras:


Agora estou tentando fazer uma almofada com a Union Flag, por isso andei buscando inspiração pela internet:





Se eu conseguir um resultado minimamente decente, mostrarei aqui. :)

Back home.

I'm back, peoples. :) Viagem foi legal, mas corrida e cansativa; não fiz quase nada do que pretendia, como sempre, mas revi amigas queridas, me entupi de doces na Selfridges, assisti Dorian Gray no Odeon (tá ficando caro ver filmes lá, mas é sempre uma experiência memorável, com som perfeito, cadeiras confortáveis e direito a ser acompanhada até a sua poltrona por um lanterninha com sotaque britânico) e voltei para casa com quilos de esmaltes baratinhos comprados em Camden, um passaporte novo e uma diaba meiga chamada Demonique na mala.

Durante a primeira metade da estadia, ficamos no apartamento de um amigo do Respectivo, na antiga área de docas londrina. O porto de Londres era um dos mais importantes e movimentados do mundo, até que nos anos 60/70 os navios começaram a ficar maiores por causa da popularização do uso contâiners de metal para transportar produtos e o porto acabou ficando pequeno demais para a demanda (sem contar que o pessoal não queria trabalhar com contâiners fechados, porque assim não conseguiam roubar as mercadorias). O porto acabou sendo desativado; pobreza e violência foram as consequências naturais do desemprego que se instalou na área. Atualmente as docas vêm passando por uma mudança estrutural profunda, com os antigos galpões se transformando em escritórios e apartamentos de luxo, atraindo o pessoal que trabalha no centro financeiro da cidade, ali pertinho em Canary Wharf, e muitos restaurantes carésimos. Olha só a vista que eu ganhei de presente por cinco dias:





E, do outro lado, sunset over Canary Wharf (foto by Respectivo):























Gemma Correll

Gosto bastante dos desenhos da Gema Correll, especialmente a série "the unusual child" (também fui uma criança incomum que não se identificava com os demais da mesma faixa etária) e a "what i wore today" (aliás, ótima idéia para quem quer mostrar o que veste, mas não necessariamente a si próprio... Já sabia que existe um grupo no Flickr só para isso? Nele eu também adoro as ilustrações da Jenosaur).

The Uniform Project

The Uniform Project: ela vai vestir o mesmo vestido durante um ano inteiro, como se fosse um uniforme, tentando reinventar a peça a cada dia. O desafio é provar que você não precisa de um guarda roupas lotado para se vestir de forma criativa e também arrecadar dinheiro para uniformes de verdade para as crianças da Índia. Além da motivação nobre, você pode se inspirar browseando o guarda roupas da moça, dia após dia; altas idéias para você dar uma repaginada naquele vestidinho preto sem graça que estava mofando na gaveta... E ah, só pra constar: ela tem sete vestidos iguais, um para cada dia da semana. Deu até vontade de costurar um igual pra mim; o potencial de versatilidade já foi mais do que provado!



Random Love

Adorei os novos selos do Royal Mail trazendo clássicos do design britânico. A minissaia de Mary Quant, O mapa do metrô, o Route Master (os famosos - e originais - ônibus vermelhos), a cabine telefônica e outros designs icônicos (via paige and modern).







A lojinha de tesouros vintage da Roberta Grove, no Etsy. Adoro tudo, inclusive o jeitinho meio retrô com que ela fotografa os produtos:








Nem sempre gosto do uso de texturas em fotografias; na maioria das vezes o resultado é artificial, exagerado e cafona. Exatamente o oposto do que se vê nesse belíssimo set do Flickr.


Para quem gosta de webdesign ou simplesmente de brincar com cores, esse site é um achado: gera automaticamente paletas de cores tendo por base qualquer imagem ou foto que você quiser. Muito prático para criar esquemas de cores para layouts.


As tigelas Marimekko, feitas pela companhia finlandesa Iittala; adoro os designs da marca, em especial essas tigelas em cores yummy. Parecem taças, mas não vou chamar assim porque já vi na mão, na COOP de Helsinki; são grandes demais. Pena que sejam tão caras, em especial a vermelha, minha preferida (sim, o preço varia dependendo da cor).


Essa câmera linda; a marca é Savoy e a cor e o design não poderiam ser mais retrô. Pena que já foi vendida... E que as câmeras digitais não consigam ser assim tão fofas.


E, da mesma loja, esse telefone; necessito dele em algum cantinho do meu lar, ainda que ele não funcione mais (se funcionar, bônus).


E para os fãs de polaroid ou de fotos com cara de polaroid que não têm uma polaroid e nem photoshop para simular o efeito, seus problemas acabaram: eis que existe Rollip! É de graça, tem vários tipos de efeitos diferentes para escolher, você pode optar por uma foto simplesmente com cara de antiga ou criar uma polaroid "autêntica" com direito a borda de papel (que pode aliás ser customizada com texto ou figuras). E tudo isso bem mais rápido que o famoso Poladroid (que é muito bonitinho, mas muito fresco e cheio de fru-frus e, por isso, lerrrrrrdo que só).

Testei o Rollip nessa foto aí embaixo (sem borda de polaroid); margaridas que roubei na praia, descansando serenas nesse minúsculo vasinho da Iittala (citada ali em cima), que eu "peguei emprestado" da minha sogra finlandesa e até hoje não devolvi... Ops. ;)


Street style, versão africana. Muito mais interessante e autêntico do que aqueles horríveis "despachos de grife" que graçam as páginas do Sartorialist. Essa menina é a coisa mais fofa do planeta; quero roubá-la e levar pra casa.

P.S.: Indo pra Londres amanhã, moços; fico até o dia 21, mas terei internet. Não prometo atualizações frequentes, but then again, eu nunca atualizo com frequência. :) O que prometo: notícias da metrópole, aqui e no Twitter. See ya!