Parisiando.



































Pecado mortal. E o serviço era péssimo. Mas péssimo ele também é no Café de Flore, e pelo menos no McDonalds não me cobraram 30 euros apenas pra cheirar a comida.










Pretty things.

Em se tratando de bolsas, preciso dessas na minha vida:


Pelo que entendi você escolhe o modelo e o tipo de estampa (a menos quando ela já está estampada); todas as bolsas são vintage. Não são baratinhas, mas pela originalidade devem valer o investimento.

Porta eletrônicos em forma de bichinhos coloridos (e à prova d'água) da Wiggle Tiggy. Tem para câmera digital, iPod, iPhone, PSP, Nintendo DS e todo o resto; eles mandam para qualquer lugar.



Não gostou desse modelo? Que tal os cozies da Yummy Pocket? Tem tanta coisa adorável que foi impossível escolher um só:


A londrina Sarah decidiu dar um chute no mundinho corporativo e no seu emprego de nove às cinco e se dedicou a lidar com o que ela realmente gosta: tralhas. Rata de brechó e lojas de coisas usadas, ela tem um bom olho pra garimpar peças diferentes (de mobília, vestuário, decoração e coisas tão enlouquecidas que não cabem em categoria alguma) e usa uma parede da sua casa como vitrine; as peças são arrumadas, fotografadas e expostas no site (ela também vende em casa e você pode ver a parede ao vivo se estiver pelos lados de Notting Hill).



Tudo na parede está à venda (menos o que já foi vendido, claro) e, segundo ela, "nada na casa é sagrado", podendo ir parar na parede-vitrine a qualquer momento. Desapego é isso aí.


E aí vai o mix da semana; complementa bem o mood "fundo do poço" que domina por aqui. Domingo é o dia das mães aqui na Inglaterra (por algum motivo diferente do resto do mundo, que celebra a data em maio), e vamos chamar a sogra para almoçar. Ainda não pensei num presente, mas o fato é que ela é difícil de presentear e, quando não gosta, diz na cara (ah, a sutileza finlandesa...). Bem, pelo menos vai haver bolo; não tive muita sorte com os biscoitos, mas me garanto no meu lemon drizzle cake

Bom weekend para vocês, peoples. :)

What's in your bag?

Motivada por um passeio num dos grupo do Flickr, resolvi fazer um novo "what's in my bag"



Da esquerda para a direita: garrafinha de líquido desinfetante com perfume citrus, escovinha de cabelo, atomizador de perfume, protetor labial, batom e gloss, óculos, iPhone, pó compacto, bolsinha rosa de moedas (rua da Alfândega, devo tê-la há mais de 10 anos), pacotinho de lenços de papel, esmalte (o que fazia na minha bolsa eu não sei), porta Oyster card, bolsa de maquiagem (pequena demais e estava vazia...), latinha da Hello Kitty usada para guardar analgésicos, chaves, Guineto, o gnomo de estimação (eu sempre levo comigo para fotografar e sempre esqueço), a inseparável caixinha de chicletes (vício), moleskine (o mesmo do ano passado), caneta, anel (?) , agenda, guarda chuva (by the way, como vocês chamam? Guarda sol? Sombrinha?), livro, outra mini agenda (daí se nota minha obsessão por cadernos) e carteira.

A bolsa veio de Hannover, quando eu ainda morava lá. Eu passava todo o dia na frente da loja de aviamentos e artigos para artesanato e ficava secando a bolsa na vitrine. Um dia criei coragem para entrar e perguntar o preço; esse tipo de pesquisa simples se tornava bastante complicada por eu não falar alemão. Depois de alguns minutos apontando coisas, fazendo mímica e tentando extrair algum inglês da vendedora chinesa, saí da loja com a missão cumprida e a bolsa nas mãos. Por ser grande, estruturada sem ser "dura" e ter vários bolsos internos e externos, desde então ela tem sido companhia constante em pequenas viagens ou quando quero levar a câmera e todas as lentes comigo.




E moças, o que não pode faltar na sua bolsa? Ou você é desapegada e consegue sair de casa sem carregar nada? Eu já fui assim, num passado distante. Sair pra dançar carregando bolsa? Sair sem nem mesmo saber para onde eu estava indo ou onde a noite ia acabar carregando bolsa? Pular em carrecerias de pickups pegando chuva por toda a orla da Zona Sul e chegar encharcada num churrasco no Recreio... carregando bolsa?? No way. Chave de casa e dinheiro eram as únicas preocupações e, com jeitinho, cabiam no bolso traseiro do jeans (enrolados dentro de um saquinho plástico; aprendi a lição depois que meu dinheiro molhou todo naquela aventura na chuva até o Recreio). Hoje em dia eu nem uso mais jeans - eles já não ficam muito bem em mim. Mas bolsas ficam bem em todo mundo. ♥