Devilish Feast.

No domingo fomos almoçar na casa do mano mais velho do Respectivo. Minha vontade de ir não era das maiores - cheguei, num dado momento, a me recusar a acompanhá-lo. Mas capitulei porque ele foi legal comigo no sábado, me levando para passear no shopping de Romford (hahaha), almoçar no Outback (eu nem sabia que havia Outback fora do Brasil) e aguardando pacientemente enquanto eu fazia escova no cabelo - uma ocorrência tão rara quanto detestada.

O irmão é bacana, mas eu tenho restrições quanto à namorada. Boa pessoa, porém mulher e inglesa. TODAS SABE que eu tenho problemas com essas duas amostragens humanas em separado; quando combinadas a coisa tende a piorar. Fico com a sensação de que estou sendo observada, analisada e julgada (desfavoravelmente) o tempo todo e eu podia passar sem isso, obrigada. Também tenho a sensação de que algumas pessoas aqui toleram imigrantes numa boa, desde que eles fiquem em seus lugares - isto é, casados com conterrâneos, trabalhadores, humildes, longe das vizinhanças abastadas e devidamente pobres.

O irmão gosta de caçar. Não tenho muitos problemas com isso, até porque ele consome tudo o que mata. De certa forma é um carnívoro mais merecedor do que eu, já que põe na mesa aquilo que caçou com as próprias mãos, enquanto eu, defendendo de forma pouco convincente as vantagens de se estar plantada no topo da “cadeia alimentar”, compro meus bichos mortos já limpos, fatiados e higienicamente embalados em plástico e isopor. É difícil respeitar a morte de um ser vivo se a única parte que você vê dele é um bife que em nada lembra a gloriosa existência encerrada num abatedouro. Eu jamais atiraria para matar, mas isso não me faz melhor do que o cunhado; só me faz mais covarde. Ele construiu uma espécie de abatedouro/frigorífico nos fundos do jardim, em madeira pintada de vermelho com janelas brancas - igualzinho a uma casa de campo finlandesa, com direito a tinta importada da escandinávia. Lá dentro ele limpa, corta e congela as vítimas, digo, jantar.

Comemos carne de Bambi. Ok, na verdade o negócio mais parecia uma sopa. A namorada usou uma dessas panelas elétricas para cozinhar a carne lentamente, só que a meu ver a coisa cozinhou demais e havia mais caldo do que carne no prato. Como eu não pude tocar nas batatas, cenouras e batata doce, devo confessar que fiquei meio com fome. O sabor da carne de veado foi aprovado; lembrou carne de boi assada. Veado entra para a lista de “carnes exóticas degustadas na Europa”, ao lado de avestruz (na Alemanha) e rena (na Finlândia). Também provei lagosta pela primeira vez na França, e faisão e salmão em Jersey. Nunca comi coelho, apesar de rabbit pie constar da minha lista de “coisas para experimentar antes de morrer”.

De sobremesa havia uma mousse de frutas vermelhas, feita em casa, que parecia ter sido muito gostosa antes de ser esquecida no freezer… Toca colocar colheres de molho em água fervendo para tentar ajudar a derreter o bagulho; mas estava tão congelado (e a casa tão fria...) que o negócio permaneceu em Iceberg Mode On durante todo o tempo em que ficou plantado no meio da mesa, sendo cutucado, espancado e esfaqueado por todos aqueles que pretendiam comê-lo. Por sorte eu não podia anyway. :)

O curioso foi quando a namorada foi procurar a tal mousse no freezer da cozinha e não encontrou. “Procure no freezer grande, embaixo dos esquilos!” foi a resposta do cunhado. “Embaixo do QUÊ??”, perguntei eu, e então ela me levou até o freezer imenso que fica no tal abatedouro/frigorífico e dentro dele havia pequenos esquilos cinza congelados dentro de sacos plásticos, as patinhas na frente do corpo e os dentes de fora.

Esquilos cinza são vistos como “peste” na Inglaterra, já que não são originários das ilhas britânicas. Foram trazidos da América do Norte por algum idiota que os achou bonitinhos e acabou causando um enorme e irreparável desequilíbrio ecológico. Os esquilos cinza são maiores e mais agressivos que os pequenos vermelhos (nativos da Inglaterra), e vencem fácil a competição por comida. Além disso são portadores de um vírus que não lhes faz mal algum porém mata os vermelhos, fazendo com que eles estejam praticamente extintos no seu habitat natural (em Jersey os vermelhos permanecem, já que os cinzas felizmente não cruzaram o canal). Apesar disso não acho que promover uma carnificina de esquilos yankees vá fazer muita diferença agora. E depois, a culpa não foi deles.

A namorada se prontificou a explicar: “ele mata os esquilos e guarda para um amigo, que tem uma serpente de estimação; ela adora um delivery de esquilinhos!”. Engoli em seco pensando nos esquilos que moram no meu jardim em casa e passam o dia pegando sol sentados na cerca, coçando a barriguinha. Para completar o dia, o irmão declarou que atirou num gato que estava roubando a comida do gato da família - e que o próprio gato da família seria curado com um tiro quando ficasse doente, já que eles gastaram uma quantidade impossível de dinheiro tentando curar o anterior, em vão. Compartilho do sentimento, mas não consigo de maneira alguma aprovar o método.

Festa estranha, com gente esquisita.
Fiz um omelete quando cheguei em casa.

32 comments

  1. Esse 'banquete' dava até um filme do tipo Mamãe é de Morte e outros, de humor negro...

    ReplyDelete
  2. Aaah que medooo! Ainda mais eu que tenho um Hamster (primos dos esquilos), e sou quase vegetariano. Mas pelo menos rendeu uma boa história, hehehe!

    ReplyDelete
  3. Seu almoço dava mesmo um ótimo capítulo de novela.
    Tem q ter "força" pra aguentar.
    Bjs

    http://momentoscodificados.blogspot.com/

    ReplyDelete
  4. acho que eu teria saído correndo assim que desse de cara com os esquilinhos de dentinhos pra fora congelados... medo!!!!

    ReplyDelete
  5. Você parece ser meio nojenta e tem um jeito que parece odiar a quase tudo a sua volta. Mas mesmo assim, "gostei" de você e daqui, procuro sempre passar por aqui ;D (disse gostei com aspas porque nao conheço pessoalmente, acho que entendeu né.) Parabéns pelo site/blog/diário, um beijo.

    ReplyDelete
  6. Bizarrice. hahahaha Não topo comer carnes exóticas não. Fico com frango e boi, no máximo, porco que nem sou fã.

    Mas ficou a história aí pra contar. hahaha

    ReplyDelete
  7. Chicória - mas o bambi estava gostoso! pena que cozinhou demais, haha. :) deve ser genético, pois meu pai já comeu carne de crocodilo e minha mãe degustou cobra assada, hahahaha.

    Pablo - eu adoro esquilos, os que "moram" aqui no jardim já viraram BFF e eu compro maçãs (que não posso comer) só pra eles. eu também penso em ser vegetariana às vezes, mas infelizmente se eu viver de carboidratos morro obesa. :(

    Elaine - tive que ter força mesmo foi pra não rir quando geral estava "espancando" a sobremesa, hahahaha. ok que por causa da dieta eu não ia poder comer, mas eu fiquei com pena do negócio. Ultimate Fight Mousse! apanhou, mas NÃO se rendeu! continuou lá, sendo um tijolo.

    Anônimo - entendi, sim. entendi que tem gente que não sabe esconder que é troll. que espécie de "elogio" é esse, que começa por chamar uma pessoa (que, segundo suas próprias palavras, você nem conhece) de nojenta? sinceramente, vá ler algo que faça você feliz. quer ver apenas o lado bom e cor de rosa da vida? sugiro o blog da Sandy. good riddance.

    Tath - eu, na verdade, nem gosto muito de carne at all. mas a que eu menos gosto é justamente boi. acho dura e sem sabor. amo porco, gosto de frango e adoro frutos do mar, mas não sou muito fã de peixe, exceto bacalhau fresco (não aquele salgado), atum fresco (não o enlatado), salmão e truta. a carne de rena é ótima, me surpreendi. às vezes vale a pena experimentar o que nos é estranho, só assim descobrimos coisas novas. já cansei de dizer que não gostava de algo que nunca havia comido; aí provei e mudei radicalmente de idéia. :)

    ReplyDelete
  8. A gente passa cada uma em nome da civilidade e do relacionamento, essas situações sociais que não tem como fugir são muito esquisitas mesmo. Bom pensando no lado positivo eles não são seus vizinhos, caso contrário a fauna (inclusive felinos) do seu bairro estaria bem mais restrita...
    Tem gente estranha mesmo nesse mundo e não dá pra falar que é coisa só de europeu, eu mesma já encontrei duas figuras em lugares que eu trabalhei (na área financeira) que curtiam até viajar para caçar... vai entender esse povo...

    ReplyDelete
  9. Lolla, acho que eu congelaria quando o assunto chegasse em matar o gatinho com um tiro e não daria mais nenhuma palavra. E para o respectivo alegaria mais tarde insanidade temporária. Beijos pra você menina moon

    ReplyDelete
  10. Para ser bem sincera seu cunhado merecia levar um tiro tbm, para mim alguém q tem coragem de atirar em um gato indefeso e sair por aí matando esquilos e vários outros tipos de animais, não é nada além de um projeto de psicopata.
    Me assusta ver como muitas pessoas acham uma coisa corriqueira os atos de violência contra os animais.

    ReplyDelete
  11. HAHAHAHAHAHA, realmente, tua festa foi muito tensa, Lolla. :) Não gostei do teu cunhado, matando gatinhos? Huuuum. Não imagino como certas pessoas fazem isso sem se importar, e também acredito que quem mata um animal pode matar uma pessoa. /dramamodeon

    ReplyDelete
  12. Naomi - Mas ele viaja pra caçar, também. :( Vive indo pros EUA, praqueles cafundós de doido onde todo mundo carregar cinco armas na cintura e uma faca nos dentes. Hunting Tourism. Acho de mau gosto, mas enfim. Cada um na sua.

    Raquel - Eu não congelei, mas em silêncio desaprovei terminantemente. Eu jamais faria isso. Já peguei um gato aqui roubando a comida da tonta da Chantilly. Meu primeiro pensamento foi querer saber se ele tinha casa/dono e, se não tivesse, adotá-lo. :) Ou pelo menos deixar um pouco de comida pra ele do lado de fora. Morri de pena do "ladrão".

    Fernanda - Obrigada pela sinceridade, mas se eu colocasse o fuzil na sua mão você atiraria? :) Não defendo pena de morte - nem pro gato, nem pro cunhado. Não concordo com o método, mas acho que chamar uma pessoa que atira em animais de "psicopata" foi meio exagerado da sua parte. Sem mencionar que a sua crítica tão acalorada perde TOTALMENTE a validade se você não for vegana estrita. Se você come carne, darling, I'm sorry to break it to you: algum "psicopata" teve que matar aquele "bife" no seu prato.

    Celina - FESTA TENÇA, hahahaha. O cunhado cresceu no mesmo ambiente que o Respectivo: no campo, numa fazenda. Todos os irmãos caçavam quase que diariamente, para COMER. Minha sogra fazia uma rabbit pie NORÓTICA, segundo eles. Mas olha, conheço muita gente por aí que nunca pisou numa barata mas que já matou gente. E será que todo mundo que trabalha em matadouro OU estudantes de biologia que precisam matar e dissecar ratinhos são assassinos em potencial? HALP, corram para as montanhas! :D

    ReplyDelete
  13. Você foi protagonista de um belo programa de índio,rsrsrsrsrsrsrsrsrs...mas algo de bom com certeza você tirou dessa situação.Quero lhe dizer que conheci seu blog por acaso,porém me apaixonei de cara,é lindo,já fuçei de cabo a rabo.
    Bjs

    ReplyDelete
  14. Ola Lola,
    Eu leio o seu blog faz um tempo mas so agora comento, que historia triste dos esquilos yankes que matam devido a concorrência os vermelhinhos...!
    Em Montreal o que nao falta sao esquilos, e ultimamente a natureza anda contra atacando e ha varios gambas passeando pela cidade e espalhando aquele odor terrível quando eles fazem xixi. Péssimo.
    Um abraço
    Ka
    dialecticbeans.wordpress.com

    ReplyDelete
  15. Só passei pra dizer que acompanho seu blog já há um tempinho e adorei o post!
    Beijo
    Larissa

    ReplyDelete
  16. Nada contra quem caça para comer, se necessário - porque há algumas "superpopulações" de certas espécies, etc. A cadeia alimentar mundial está toda errada, e isso não é papo de eco-chato(a), mas anda tudo muito errado.
    Mas, não sei. Eu não sei se teria coragem de matar um bicho se não fosse pela minha sobrevivência - fome ou defesa. Não entendo caça como esporte.
    Mas é seu cunhado, né, e você parece madura o suficiente para lidar com isso. Eu já procuro evitar pessoas assim, o "santo não bate" e eu me reservo o direito a algumas intolerâncias.
    Espero que a omelete tenha ficado boa :-)
    PS. Não entendo as pessoas que acham os seus posts "reclamões". Pior do que pegar no pé só porque não se tem nada para fazer, é pegar no pé pelos motivos errados.

    ReplyDelete
  17. Lola, adoro seu estilo de escrever!
    Eh mto envolvente... vc consegue transitar entre a ironia, o humor e a critica de uma forma magistral! jah pensou em explorar isso?
    bjos

    ReplyDelete
  18. Eu teria um treco de ver esquilos congelados, mas não por nojo ou por ser contra caça, é que eles são tão fofinhos, hahaha...

    Tenho vontade de provar carnes diferentes, sempre que vou em algum restaurante que oferece coisas estranhas quero provar... claro, tenho limites né? Acho que não comeria sapo ou rã... erm.

    Agora, te contar viu? Povo gosta mesmo de ser chato em comentários, acham que o blog alheio é a casa da mãe joana, que podem falar o que querem e deusolivre se o "blogueiro" responde, tem uns que acham que fazemos serviços a comunidade, é só chegar, pedir e falar tudo o que der na telha, aham, senta lá...

    Ah, e pq não coloca o blog no Bloglovin? :)

    ReplyDelete
  19. hahaha sei como são essas coisas.
    Poxa esse negócio de caçar deve ser horrível, não sei se tenho coragem =X

    bjs

    ReplyDelete
  20. Comer carne exótica até vai, mas ter que ver bicho ensacado no congelador tiraria minha fome.

    Fiquei curiosa com uma coisa sobre essa convivência com a mulher inglesa: ela (ou os homens, também) não estranha a história da dieta? Porque eu acho que aqui no Brasil o assunto é até corriqueiro, mas vai recusar/escolher comida num jantar... começa um falatório do tipo "já tá magra, pra que dieta?", "uma batatinha só não tem problema, que exagero!". Nunca fiz dieta, exatamente, mas sempre que tento seguir uma alimentação que eu considero balanceada ouço comentários assim.

    Na verdade eu queria saber duas coisas, mas esqueci a segunda haha. Beijos de LR, a velha.

    ReplyDelete
  21. nossa!! juro q tudo estava parecendo "normal" até a parte dos esquilos-serpente de estimação (duas palavras que não combinam!!!)
    qnd morava em londres tinha um amigo que o chefe dele caçava faisão e algumas vezes o chefe dava uns pra ele e realmente é uma deliciaaa!!
    acho q isso de caçar e comer é bem comum por essas bandas :P
    hahahaa... ri demais aqui imaginando a cena da sobremesa sendo espancada!! se estivesse la teria rido na cara de todos.. tenho que reaprender a controlar o riso >__<

    ReplyDelete
  22. Dani - obrigada, dear! Beijo pra vc também. :)

    Ka - puxa, não sabia que o cheiro dos gambás também estava na urina deles. interessante, aprendendo coisas novas todos os dias!

    Larissa - prazer ver você por aqui, menina! obrigada. :)

    Dani - sim, é verdade, tudo anda muito errado. eu também não gosto de caça por esporte, mas eu tenho uma tendência a ser *muito* cuidadosa ao julgar. até porque comer carne não é necessidade, é lifestyle e conveniência. o mesmo vale para o uso do couro. então eu me sinto meio estranha me sentindo indignada com o tapete (lindo, por sinal) de pele de rena que o cunhado tem na sala (caçada por ele). a palavra caçador virou um bicho papão, quando na verdade qualquer pessoa que crie animais para o abate está fazendo algo parecido, com o agravante de muitas vezes privar esse animal de uma existência digna. então não é questão de tolerar, e sim de olhar para as minhas próprias ações enquanto carnívora que cria a demanda para a morte de milhões de animais diariamente enquanto "julgo" o cara que vai lá e mata um ele mesmo. e sim, a omelete levou queijo e azeitonas frescas picadas (era o que eu tinha em casa) e ficou ótima. :)

    Mag - puxa, obrigada! e sim, eu exploro isso aqui no blog sempre que me animo a escrever alguma coisa. :)

    Juli - eu fiquei horrorizada, hahahaha. uma coisa é comer a carne já limpa e desprovida de aparência fofinha, outra bem diferente é ver o bicho fofo morto. traumatizante. acho que é assim que muita gente vira vegetariana! eu não como sapo ou rã nem morta, assim como o famoso escargot. sorry, já tentei e não rolou. lesma, não. :) povo às vezes é chato sim, especialmente quando acham que a opinião que formaram a seu respeito com base em VENTO é a correta e podem te julgar. enfim, to each their own. e eu nem sei como colocar blog no bloglovin, vou dar uma olhada hoje - thanks pela dica, sweets!

    Coruja - hahahahahha, qual parte em especial? :)

    Jeys - eu sei que não teria MESMO. sou daquelas que vive numa casa cheia de teias de aranha porque tenho pena de desmanchar o trabalho da aranha e deixá-la homeless, sem bichinhos para comer. Me chuta, please.

    LR - Exatamente. Se o menu do dia fosse esquilo eu teria me recusado. :) Acho que aqui ninguém falou nada porque a) os ingleses são muito diplomáticos e morrem de medo de falar algo que soe intrusivo ou rude e b) eu NÃO SOU magra, então eles entendem, hahahah. :) Eu não pedi nada especial (não tinha refrigerante diet, só vinho, então eu tive que beber água) e não pude nem tomar café porque eles obviamente não tinha adoçante em casa e eu esqueci de trazer o meu. Acho (e estou apenas supondo) que dietas são bem vistas porque é uma tentativa de ser mais saudável. Desde que a pessoa não vire o chato da dieta, claro. Eu evitei falar do assunto e só falei brevemente quando perguntada. :)

    Andrea - serpentes são fofas, e se não fosse o probleminha de, erm, ter que ALIMENTÁ-LAS, eu até consideraria ter uma. aqui o campo ainda é visto com alguma deferência e ainda existem animais caçáveis. no brasil isso é menos frequente até porque não há muito o que se caçar e os hábitos alimentares do brasileiro são muito conservadores. diferenças culturais. e gente, socaram TANTO aquela mousse e ela não se rendeu! essa teria levado o cinturão/troféu/whatever no UFC, hahahaha.

    ReplyDelete
  23. Ah Outback é tudo de bom! Quero ir de novo, a ultima vez foi há uns 2 anos atrás! Carne de coelho eu já comi mas nem gostei tanto, achei meio seca e sem gosto...

    E concordo em número, gênero e grau quanto a sermos carnívoras covardes, mas sabe que tô pensando em virar vegetariana?

    Quanto aos esquilos, seria mais ou menos a mão do ser humano se intrometendo na cadeia alimentar que aprendemos lá na 5a série né? Realmente o homem é um bicho que pensa que pensa ¬¬

    ReplyDelete
  24. Esse aí é realmente um CU-nhado.

    ReplyDelete
  25. Cara, que bizarro. Situação digna de filme de terror então? regado a sangue de bichos fofinhos inocentes. Ngm merece

    ReplyDelete
  26. Lelei - Eu fui no outback de Romford! Tem um shopping lá e quando vi a placa do Outback desacreditei. Sempre vou quando estou no Rio, mas infelizmente a dieta me cortou aquele pão delícia (na verdade nem sei se tem aquele pão aqui...) e as batatas/cebolas empanadas. :( Eu viraria vegetaria fácil, mas não vegana porque não vivo sem laticínios e ovos. Infelizmente cheguei à conclusão que carboidratos me engordam, não tem jeito.

    Anônimo - HAHAHAHAHAHAHAH

    Monique - Bizarro mesmo, em especial os esquilos no freezer! Já quanto ao sangue de "bichos fofinhos inocentes", se eu tivesse simplesmente ido a um churrasco você teria dito o mesmo? Vacas, porcos, galinhas e peixes também são fofinhos e inocentes. Ou não? :)

    ReplyDelete
  27. Na casa de uma amiga na Suiça há alguns anos atrás, estava eu saboreando uma carne deliciosa e macia,quase uma picanha argentina aí disse:"Humm, delícia, que carne é essa?" e ela: "Boa, né?É cavalo!" Lolla, meu sorriso murchou na hora! Sempre achei cavalos bichos tão bonitos, fiéis, companheiros, quase cachorros tamanho família! Mas o que eu podia fazer? Continuei mastigando, afinal o bicho já tava morto mesmo e no meu prato! É realmente uma hipocrisia condenar esses caçadores, se a gente come carne.Alguém tem que fazer o trabalho sujo né? :-( Já pensei em ser vegetariana, mas acho que não conseguiria viver só de frutas,legumes e carboidratos! O jeito é continuar comendo o bife do prato.. Beijos!

    ReplyDelete
  28. Acho que se eu tivesse visto os esquilos congelados teria caído dura na hora. Um dia vi um coelho morto embaixo da escada do deck da casa do colorado e surtei. Não consegui nem segurar o saco de lixo aberto pro meu marido jogar o coelho dentro. Saí correndo gritando. Sou que nem vc no que se diz respeito à carnes: sou covarde e prefiro pensar que um bife veio de uma "fábrica" ao invés de pensar que veio de uma vaca. Já comi elk (não sei traduzir elk) qdo morava no colorado e achei a carne meio dura. Não sei se é assim ou se foi mal feita (comi num restaurante especializado em carnes de caças) . Agora bambis não teria coragem não. Aqui na FL eles vem visitar meu quintal e jardim da frente quase todo dia de manhã bem cedinho ou de noite. Fico toda boba admirando eles e sempre que tenho frutas ou verduras que estão ficando passadas, jogo pra eles. Pena que eles, ao contrário dos esquilos que já estão tão acostumas com gente que às vezes vem pegar comida das nossas mãos, são super assustados e correm qdo eu tento jogar alguma fruta pra eles. Mas depois eles voltam e comem. Outro dia chegamos em casa depois de jantar fora e tinha uns 6 deitadinhos na frente de casa. Eu fico toda aaawwwwww qdo vejo. Não consigo ficar brava ou com raiva nem com eles comendo todo meus pés de hibiscus ou flores do jardim.

    ReplyDelete
  29. Nossa, falei falei e esqueci de comentar que outback é uma franquia americana não? Qdo vc falou que não sabia que tinha fora do Brasil eu fiquei confusa. No Brasil tb tem outback é? Em Curitiba e São Carlos (duas únicas cidades em que morei no Brasil) não tinha não.

    ReplyDelete
  30. Li seu blog durante o tempo que vivi na inglaterra e agora o achei de novo.
    Compartilho de sua opinião sobre as mulheres inglesas. Te medem de cima a baixo tentando descobrir se vc vem de berço rico ou não.

    Em compensação os homens ingleses são perfeitos "gentlemans".
    bjs

    ReplyDelete
  31. Nestas horas eu fico pensando no quanto é "difícil" se relacionar, mas acredito que vai na linha que vc descreveu.. fazer algum esforço (nem sei se esta seria a palavra certa) pra acompanhar o marido, se relacionar com a namorada, ver a maneira de encarar a vida do seu cu-nhado e voltar pra sua vida. Cada um no seu devido quadrado. Curti demais sua descrição - apesar da festa ser estranha e com gente esquisita demais (ao nosso ver), achei vc super respeitosa com a cultura e visões de vida diferentes da sua.
    Bjo, Glau

    ReplyDelete

Os comentários são moderados para evitar spam. ♥