and castles are burning in my heart

Vida andando bem devagar. A maior novidade dos últimos dias foi o enterro simbólico do sofá desgracento, que agora descansa em paz no fundo da garagem. Ocupando, inclusive, um espaço que ele não merece por conta das suas gravíssimas deficiências estéticas. Feio daquele jeito, devia era estar no fundo de um rio ou de um forno crematório.

Pratico Eugenia com a Mobília (1 membro envergonhado, quase deletando a comunidade)

Eis o substituto:



Eu ia falar sofá novo, mas EU NÃO SEI MENTIR (cof, cof) e preciso confessar que esse aí também é usado. Tivemos que alugar uma van e dirigir mais de uma hora para ir buscá-lo, mas aí vem a parte boa. Preço do sofá: zero libras.

Sim, de graça. A dona estava se livrando dele no Preloved e eu entrei de sola.

Pensei em comprar um sofá novo na loja? Pensei. Mas vejam a minha situação. Eu JÁ TENHO um sofá novo em casa, excelente e praticamente maior que a minha cama king size. Só que ele está em Jersey, e não compensava financeiramente trazê-lo de lá. Além disso o meu marido é uma pessoa, digamos, muito específica na hora de escolher um sofá. Traduzindo: ele não gosta de NADA. Pelo menos não nada que seja muito mole, ou muito duro. Ou onde ele não possa encostar a cabeça ao sentar. Sim, ele não quer um sofá, quer uma CAMA. Sugeri simplesmente colocar a TV no quarto e dar o assunto por encerrado, mas minha idéia foi vetada. Whatevs.

Habemus sofá. Bem grande (consigo deitar nele, o que é um feito já que não sou baixinha), confortável e fisicamente nota sete (tipos, não é um Jude Law, mas também não é um Vincent Schiavelli). Pena que é azul. Mas foi de graça, e assento dado não se olha a paleta de cores. No futuro é só mandar forrar na cor da moda e pronto: sofá tendencinha. ♥

Ou jogar no Tâmisa, o que for mais barato.



E aí que Fevereiro está quase no fim e até que eu consegui cumprir direitinho o mês no A Photo A Day. Rolaram alguns cheats, como o dia em que o tema era SOL e, bem, NÃO FEZ SOL. Pensei em fotografar um potinho de Ninho Soleil, mas nem; usei foto antiga mesmo. O dia 21 (A Fave Photo of You) foi ignorado porque foto de brincadeira de Iphone deveria ter sido feita com um Iphone. E eu não tenho foto favorita nenhuma da minha cara feita com ele. Fora isso, fiquei admirada com a minha constância - já que esse papo de fazer uma foto por dia nunca deu certo comigo antes. Vai ver os temas diários funcionam como motivação. E o desafio de março já vai começar!

(E quando é que sai o Instagram pra Android, hein? Mó vacilo, nem todo mundo quer iPhone)

E por fim, recebi esse meme do Pablo:

REGRAS
• Write 11 (random) things about yourself on your blog;
• Answer the questions the tagger set for you and create 11 new questions for the people you tag;
• Choose the next 11 people to tag and link them on the post;
• Go to their page and tell them you have linked him or her;
• No tag backs;
• You must post these rules.

11 COISAS ALEATÓRIAS SOBRE MIM
1. Pânico de insetos. Por mais adoráveis que sejam.
2. Adoro perfumes e tenho excelente "memória" olfativa (é a única que funciona, inclusive)
3. Tenho duas meio irmãs (não mantemos contato).
4. Só consigo beber água com gás; natural, não rola.
5. Não gosto de chocolate; só o branco, e em pequenas quantidades.
6. Mas adoro bolo. ♥ Cake-a-holic and proud!
7. Sou introvertida, não tímida (há uma diferença).
8. Adoro brinquedos (10 anos, oeeee)
9. E também brincar com papéis (ok, SETE anos...)
10. Hoje eu olhei pela janela e vi uma raposa vermelha.
11. ODEIO telefone, mas adoro cartas.

AS 11 PERGUNTAS DO PABLO
1. O que é ser feliz pra você?
Dinheiro, sexo e open bar.
Hahaha. Não.

Sei lá, meio complexo esse lance de "felicidade", não? Não acredito nesse conceito; acredito que existem fases bacanas e outras nem tanto, que é normal ter que comer uns pedregulhos de vez em quando e que isso não torna ninguém Infeliz. Que é melhor acumular pequenas alegrias do que exigir que o universo conspire para injetar euforia ininterrupta na sua vida (dica: se o universo pedir penico, sempre existirá Rivotril e aquele farmacêutico amigo da sua avó). E que infelizes crônicos devem parar de mimimizar e procurar ajuda médica - porque ninguém merece sofrer pra sempre.

2. O que você faz quando está entediado de fim de semana?
Eu nunca fico entediada. E confesso que não compreendo muito bem quem não está confinado a uma cama em estado semi-vegetativo e se entedia. Gente, internet? Livros, música, filmes, DORMIR? Pia, tanque, fogão? Levantar da cadeira e ir procurar algo para fazer, algum lugar para ir? Descobrir um hobby? Eu não trabalho e ainda assim o dia precisaria ter umas 48 horas. Sendo que destas eu provavelmente passaria a metade dormindo.

3. Qual foi o último livro que você leu?
Terminando We Need to Talk About Kevin e começando How to be a Woman.

4. Se pudesse comprar algo bem caro hoje, o que seria?
Uma casa.
De resto, tudo o que quero eu poderia comprar. Mas acho meio desconfortável satisfazer desejos consumistas imediatamente. Não fui criada dessa maneira e não sei ser assim. Tem gente que parece entrar numa espécie de transe impulsivo ou piloto automático quando faz compras. Já eu vejo algo que gosto, registro mentalmente o desejo e só. Se mais tarde a vontade de ter aquilo se tornar irresistível eu vou lá e compro. Assim evito gastos desnecessários e continuo rica (me mato com esse vídeo, amo Carolina Ferraz).

5. Se pudesse proibir um gênero musical, qual seria?
Absolutamente nenhum. Todo mundo deve ser livre para curtir música e se expressar através dela, seja o gênero que for. Mas por favor, seja rock ou funk, MPB ou gospel, FONE DE OUVIDO NO ÔNIBUS, ok?

6. Uma música que marcou/descreve sua vida.
Pra descrever a vida de alguém seriam necessárias muitas músicas. :) Como essa tarefa é demorada (e pode ser dolorida, também), hoje fico apenas com essa.
7. Acha que o mundo pode acabar esse ano? Tem medo disso?
Quem garante que o mundo já não acabou e estamos vivendo apenas uma projeção da nossa existência através dos nossos cérebros conservados por algum cientista alienígena?

Lol, é claro que não acredito.

8. Se pudesse mudar pra outro país, qual escolheria?
Tive a suprema sorte de viver entre os meus "países" preferidos: Rio e Londres. Não existe outro lugar além desses para mim.

9. Dia ou Noite?
Noite de sexta-feira, manhã de sábado. :)

10. Inverno ou Verão?
No Brasil prefiro inverno, sempre. Neblina na serra, casaquinho, dias nublados. ♥ Abomino praia e dispenso o combo suor + câncer de pele + mosquitos. Em climas mais temperados eu gosto de todas as estações. Nunca lamento o fim de nenhuma, sempre celebro a chegada de todas porque elas se complementam. Flores, páscoa e renovação da natureza na primavera. Luz, calor, piqueniques e dias longos no verão. As árvores mudando de cor, halloween e o tempo de colheita no outono. Lareira, chocolate quente, natal e roupas quentinhas no inverno. Tem como escolher qual desses clichês é o mais gostosinho? Don't think so.

11. Cinema ou Teatro?
Cinema, definitivamente. Não gosto, nunca gostei de teatro. Sei que os atores amam, dizem que podem se expressar, criar, blá... Mas olha, preguiça eterna sempre que me peguei lá dentro. De olhar furtivamente pros lados e me perguntar se alguém ia perceber caso eu me arrastasse pelo chão até a saída mais próxima.

MINHAS 11 PERGUNTAS
1. Há quantos anos você tem esse blog? Pretende continuar ou já está cansando?
2. Carro: tem? Dirige? Qual a sua relação com automóveis?
3. Qual é a sua peça de roupa mais detestada? Se tiver foto, melhor ainda.
4. Corredor da morte, último dia. Qual seria sua última refeição? Pode pedir o que quiser.
5. Qual foi o pior livro que você já leu? (vale aquele que você nem conseguiu terminar)
6. BBB: sim ou não? Por quê?
7. Casa ou apartamento? Por quê?
8. Ganhou na loto. Fora os óbvios (ajudar família, comprar casa) qual seria seu primeiro gasto extravagante?
9. Como foi o melhor aniversário da sua vida?
10. Como você se vê na velhice? Ferrado e mal pago ou CVA (Curtindo a Vida Adoidado)?
11. Faça uma mixtape rápida (cinco faixas) para mim com o que você anda ouvindo ultimamente.

OS 11 INDICADOS
Pronto, chegou a hora da Lolla quebrar a corrente. :)
Na minha experiência com memes, quase sempre quem é indicado não quer fazer, e quem não foi indicado gostaria muito de ter sido. Portanto vou deixar em aberto essa etapa: considere que eu te indiquei, responda no seu blog e as 11 primeiras pessoas que deixarem um comentário aqui com o link do post eu linko aqui embaixo, ok?

Here they are: Laura | Paulinha | Patricia | Any | Karen | Dani | Monique | Thaís | Leila | Amanda

Have a nice tuesday!

for a lonely soul you're having such a nice time

Domingo passado fui com uma amiga ao mercado de flores em Columbia Road. É um dos mercados de rua mais tradicional e conhecido da cidade, que atrai pencas de turistas. Já estive lá antes e volto sempre que posso, não só por causa das plantas e flores a preços razoáveis mas principalmente pelas lojinhas independentes e únicas que se espalham ao longo da rua - e que geralmente só abrem em dia de mercado, já que durante a semana Columbia Road é mais deserta que cidade fantasma de filme de faroeste. *tumbleweeds float by*

Mas no domingo é tudo só cor, aroma, música, movimento, consumismo... e hipsters. A rua fica no coração do East End, a meca dos alternativos londrinos; então a coisa também se transforma em uma espécie de catwalk da American Apparel e dos melhores brechós de Londres. :) Nem pense em levar sua Louis Vuitton (fake ou não) para passear por lá, amiga blogueira fashion - você será apedrejada. E, por falar em pedras, a rua é de paralepípedos. Ou seja, Louboutins também estão off-limits.











Acessorize versão vintage. :)



Patriotismo pra turista.



Essa loja (Vintage Heaven), logo no começo do burburinho, vende louças antigas e eu sempre saio de lá com um prejuízo financeiro considerável - adoro! E, nos fundos, tem o melhor salão de chá da rua. Peça a Victoria Sponge e uma xícara de english breakfast tea com leite para a moça simpática de cabelos vermelhos, lindamente servidos em bone china vintage - fica a dica. :)



Essas embalagens da Paul & Joe são deliciosas.



A lojinha era, na verdade, um salão de beleza vintage; morry com os uniformes das atendentes.



Que fazia, obviamente, penteados e maquiagem retrô. Olha essa moça virando pin up dos anos 60:





Hora de fazer uma boquinha? Sim ou dane-se Atkins?



Jacintos em flor! Saudades dos meus em Jersey. Essa jaqueta foi customizada com bordados, apliques e botões - linda.



Lindos esses vasos Kew Gardens em tons pastel com a coroa real. Quero ter um jardim decente de novo. :( E esses mini vasinhos Pantone? Awww. ♥



Molheiras para usar como jarras de flores.



Mocinhas elegantes: eu e Rô em Columbia Road. O meu casaco (pulôver? cardigan? er...) novo custou só 30 reais na Primark. Deve durar umas duas lavagens, mas quem liga? Lavo roupa de inverno uma vez por ano, então já garanti dois natais, haha. O jeans é Miss Selfridge, bolsa Marc Jacobs, cachecol de uma feirinha em Greenwich, sapatos ASOS e as luvinhas vieram da seção infantil da Forever21.



Tio indiano simpático e suas samosas vegetarianas - empanturramento obrigatório.



Tenho que voltar lá para pegar uma luminária dessas. Deep, deep love.





Pub obrigatório - olha que construção linda.



O mercado funciona aos domingos das oito da manhã até por volta das três da tarde. Se a idéia é comprar flores eu recomendo chegar lá pelas duas, quando os vendedores estão querendo liberar mercadoria e as promoções nas barracas são excelentes. :)

they'll forgive anything but greatness

E aí chega o dia em que você precisa aceitar a real: que a sua melhor forma de ganhar certas discussões é se retirando delas. Os seus argumentos podem até ser melhores, só que eles não convencem. Nem sempre a verdade é convincente. E nessa hora, para poupar tempo, retórica e economizar humilhação, você pega o seu banquinho e sai de fininho. Esperando que notem porque, de certa maneira, aí está a sua única vitória possível. Mas você sabe que não vão notar a sua ausência. Até porque talvez você já estivesse ausente sem perceber. Talvez seus interlocutores tenham saído antes, muito antes de você se dar conta de que não havia mais discussão alguma e você esteve falando sozinho esse tempo todo.





Melhor coisa que eu trouxe de Nova Iorque.

Outro dia, logo depois que voltei do Rio, estava saindo pra encontrar uma amiga e o frio me pegou no meio do caminho. Eu achava que estava vestida de acordo: calça, pulôver*, camiseta por baixo do pulôver, jaqueta por cima de tudo, cachecol, chapéu, luvas, meias e bota. "O que diabos eu esqueci??" me perguntava, sem saber como justificar o frio tendo aparentemente seguido à risca as regrinhas sartoriais para essa época do ano. Daí me ocorreu: a única coisa que eu havia esquecido, nessas breves sete semanas de veranico carioca, foi COMO ERA SENTIR FRIO.

Relax. Pus os fones de ouvido. Australia, The Shins. A neve ainda não derretida da semana anterior (por conta do clima subzero) solidificada cantos das ruas. As luzes das casas começando a acender, os dias ficando mais longos novamente, a espera pelas primeiras snowdrops assim que a temperatura subir mais um pouco. Enfiei as mãos nos bolsos da jaqueta, assobiei alto e percebi que aquele era o momento quando, depois de uma temporada longe daqui, finalmente me sinto oficialmente de volta. And I was so very glad to be back.

Onde até pegar um engarrafamento pode ser um breve privilégio.















* É essa a grafia de pullover em português? Da mesma forma que esquimós tem oitocentos mil nomes diferentes para neve, ingleses têm novecentas mil maneiras diferentes de chamar aquilo que brasileiros, desacostumados com a peça, simplesmente entendem por CASACO. :)

your nightmares only need a year or two to unfold

Perdão antecipado pelo chilique, mas eu me apaixonei por esse tênis quando o vi nos pés de um passante randômico num vídeo do YouTube e desde então tenho revirado o mundo atrás dele. Finalmente nos esbarramos outro dia sem querer, quando eu estava fuçando sem compromisso a filial da Deichmann que abriu no Westfield Stratford. ♥





Halloween shoes! Adoro os dentinhos vampirescos e o logo "creepy". :)



Levei pra passear na neve que caiu com tudo aqui sábado à noite.



Relativamente à prova d'água e ainda fluorescente; olha só eu facilitando a vida das equipes de busca de vítimas da avalanche, minha gente.



Note to self: da próxima vez que sair na neve com seus sapatinhos novos, vista roupas mais apropriadas para temperaturas sub zero. E vê se aprende a colocar o chapéu direito na cabeça (ou seja, quase caindo como fazem as inglesas-hipsters), a fim de não sair por aí desfilando essa cara de imbecil-conehead.

E, como fluorescência pouca é bobagem... Olha só o cadarço que eu comprei pra acompanhar:



Oi, meu nome é Lolla e o apelido é "visível do espaço", beyjas.

A neve é branca, a neve é bonita, a neve é gelada, a neve é em pozinho e não lembra algodão doce, a neve cai do céu em floquinhos diferentes e que não se repetem, a neve vira bonecos com narizes de cenoura pornográficos, a neve alegra as quiança tudo, a neve é de graça, a neve custa caro, a neve cancela vôos, interdita estradas, paralisa trens, causa acidentes de trânsito, congela lagos, prende você em casa, derrete e vira gelo, você escorrega, cai de bunda no gelo frio, duro e molhado, mói a coluna, xinga bastante a neve e jura que não quer nunca mais vê-la... Até o inverno seguinte, quando você fica puto se ela demora a aparecer e se pergunta, "MAS CADÊ A PORCARIA DA NEVE????" e aí quando ela cai você faz AHHHHHHHHHH. Insira conraçõezinhos de amor eterno. Repita a operação. Ad infinitum.



O espetáculo talvez não seja tão pitoresco como em Jersey, mas enfim... Londres é o que tem pra hoje.















Can you believe it's NOT christmas?











Boneco de neve usando... crocs. Repare que o olho do companheiro à direita até CAIU.



Esse cidadão aí de cima. Óculos de aro grosso sem lente, echarpe fina no pescoço, cigarro, frieza, sorrisinho irônico. Hipsterismo puro. Só faltou o iPhone, uma camisa xadrez ou um wet legging da Urban Outfitters pra completar o look do dia em Nárnia.

Ok, parei.