me and charles manson like the same ice cream







don't you just hate when a day that had everything to be amazing ends up being a complete car crash?

pessoas vendendo flores na beira da estrada, uma maldita banquinha a cada 100 metros. um carro parado no acostamento com um pneu estourado, portas abertas e cinco caras bêbados dançando ao som de paint in black, dos stones. duas raposas atropeladas. tori amos no meu mp3 player, caught a lite sneeze. uma embalagem de praline sugarless chocolate derretendo na minha bolsa. alguém com dor de dente. um acidente de moto perto de billericay. nenhum morto. céu alternando nuvens com nesgas de sol, na maior das más vontades. english breakfast num café que tentou sem sucesso uma decoração criativa - as mesas forradas com union flags e os olhos azuis muito claros do menino bonito que veio anotar meu pedido tinham cara de partido nacionalista. acabei confusa: “você poderia me trazer café ao invés de café?” e o menino bonito sorriu e respondeu “sim, eu posso trazer café ao invés de chá“ e eu afundei na cadeira. o café era ok, embora tenha vindo com leite sendo que eu não pedi leite. os tomates eram em lata - gostosos, mas cheios de açúcar. bacon e os ovos ok, mas as salsichas eram desprezíveis; por 6,95 eu esperava salsichas de verdade, não rolinhos de farinha.

fomos multados porque o bilhete de estacionamento virou de cabeça pra baixo com o vento quando fechamos a porta do carro e não dava para ver a data. na b&q enquanto eu procurava tintas uma onda de frustração com a falta de cooperação, energia, entusiasmo, vontade de viver das pessoas me bateu e quase me afoga. uma sensação de impotência, de desistência, de desesperança, de who gives any fuck to any of this and why am i pretending to. escapei e fui andar na cidade, sem bolsa e só pus no bolso do casaco celular, chave, cartão de crédito e o mp3 player, que ainda tocava tori amos. tear in your hand. maybe she’s just pieces of me you’ve never seen. as lojas já fechando, bairro estúpido. as ruas cheias de gente horrível, ainda mais horríveis que durante a semana - devem sair do esconderijo aos sábados e domingos. agradeci pelo mp3 player; eu podia ter que olhar para elas mas pelo menos não tinha que ouvi-las. comprei coisas desnecessárias (revistas, livro) e necessárias (macarrão low carb, um gaveteiro de acrílico). não achei um único café aberto onde eu pudesse me sentar e passar o tempo ouvindo música e lendo o livro. bairro estúpido. vi um rato morto gigantesco na calçada. carreguei tudo para casa, repassando o dia na cabeça. olhar o mar, ouvir o mar, as gaivotas, me fez ter saudades de jersey. what the fuck am i doing here. what the fuck am i doing.

está difícil, eu sabia que março ia ser difícil mas há dias em que está sendo pior do que o esperado. inferno astral é uma piada, a menos que tenham registrado meu nascimento em janeiro por engano. março sempre é terrível. as cerejeiras e magnólias em flor são lindas, a primavera tem sido gentil com meus olhos, mas é só.

No comments

Os comentários são moderados para evitar spam. ♥