The Fragrance List: Amarige



Motivada pelas 9836512 perguntas que recebo sobre quais são os meus perfumes favoritos (e me aproveitando do fato de que esse é um assunto de que eu gosto) resolvi criar essa “tag” sem tag para falar dos meus. No momento o “bottle count” da casa está em treze frascos, mas a minha wishlist é enorme e agora que o verão está partindo e não vou gastar mais dinheiro com plantas até março 2015 (yay!) a nova fonte de gastos vai ser a Escentual. Afinal não há estação mais propícia para conhecer e usar perfumes do que outono/inverno - já que perfume no verão causa dermatite grave e pode deixar você assim.

Um dos meus perfumes favoritos é um caso típico de Amor X Ódio: Amarige, by Givenchy. Uma senhorinha fofa veio falar comigo na rua hoje e disse “you smell lovely”. Aww. ♥ É uma fragrância clássica e intensa, garantia de sucesso com as gerações mais velhas - especialmente aqueles cujo olfato começa a diminuir com a idade e não é mais tão simples perceber aromas sutis.

Mas um amigo meu, na casa dos 30, se recusa a me ver se eu estiver usando porque deixa ele enjoado. “Fresco”, eu pensava, mas na verdade através dos anos eu encontrei perfumes que tiveram o mesmo efeito sobre mim, portanto agora eu costumo ser mais compreensiva com os reclamões. O que não quer dizer que eu não irei usar ocasionalmente quando sei que vou encontrar o fresco, só pra irritar. :)



O perfume foi criado pelo perfumista Dominique Ropion em 1991 para a House of Givenchy; o design do frasco inspirado no design da “Bettina Blouse”, uma das peças da primeira coleção de Hubert de Givenchy e que levou esse nome em homenagem à sua modelo e musa Bettina Graziani. É um floral adocicado com base amadeirada e tem notas de flor de laranjeira, pêssego, violeta, ameixa, orquídea, rosa, gardênia, sândalo e baunilha. Mas, como todo perfume, vai ser percebido de maneiras diferentes em contato com a pele de cada pessoa. Minha mãe adorou, o que é um problema porque agora ela gasta um vidro desses a cada seis meses e espera ganhar um novo. Ouch. :/

De vez em quanto até eu pego bode do Amarige. Preciso deixá-lo de lado por uns tempos, esquecido no fundo de uma gaveta escura, e esperar pelo dia em que eu vou me lembrar dele e sentir uma vontade irresistível de sentir o perfume. Outro dia achei isso numa agenda de 1999: “I like to spray a bit of Amarige in the air and walk into the mist, feeling like a goddess afterwards; the kind of woman that walks into a party and causes everyone to fall in love with her a little bit.



Hahaha. Silly young me. :)
Mas é assim que certos perfumes nos fazem sentir, ou pelo menos deveriam.

No comments