Favourite Shoes II

image

Prosseguindo preguiçosamente com essa tag, mas também este blog, num sentido mais amplo e a minha vida, de modo geral. Esse vermelhinho veio da Street, uma rede de sapatarias em Hannover. Eu usei TANTO esse sapato que o custo por uso está na casa dos centavos. Já está meio velhinho, o salto um pouco gasto e alargou com o uso, por isso eu comprei esse aqui para “substituir” porque a vibe é parecida. Mas não é a mesma coisa.

image

A Fase Rosa começa com essas sapatilhas da New Look:

image

Eu nunca fui fã dessa cor; evitei-a ferozmente durante a adolescência pirigótica obrigatória. Mas passaram-se os anos, eu amoleci com a idade e por fim me rendi às cores. Meu guarda-roupas ainda está longe de lembrar figurino de parada LGBT, mas né, baby steps. :)

image

São super confortáveis e, embora eu tenha uma certa dificuldade de coordenar com meia calça, é legal de usar com vestidinhos de verão. Sim, aquela estação que pode ou não acontecer nesse hemisfério.

Esses Doc Martens são fake. Risos.

image

image

Tenho outros originais; porém, detalhes a considerar: a) eu quis economizar porque achei que teria pouco uso para um par cor-de-rosa na vida adulta (meu primeiro par de Docs era verde limão e eu usei muito - mas eu tinha 17 anos) e b) Docs originais são lindos, mas até entrarem no esquema do seu pé são duros e desconfortáveis. Machucam mesmo. E eu quis me poupar, porque com 17 anos você topa sofrer por estilo MAS depois da velhice a balança pesa pro lado do conforto. :)

Ok, bordô não é tecnicamente rosa, mas para fins de praticidade vamos “masculinizar” a percepção das cores e chamar isso aí de “rosa escuro”. Because I said so.

image

Esse sapatinho “T-Bar” como se chama aqui (por conta da fivela em forma de T) é da ASOS; o preço estava ridículo e por isso eu comprei também um par preto. O salto é meio anabela/plataforma, mas sem atingir níveis muito altos na escala Richter da cafonice:

image

Foram queridíssimos por um bom tempo, mas meu pé sempre acusava um certo perrengue. No momento estão semi-aposentados e só saem da gaveta quando um sapato BORDÔ se faz necessário - quando uso essa meia, por exemplo. ;)

image

Outro par de T-Bars; parece quase branco, mas na verdade é um rosa bem claro (e também da New Look):

image

Comprei porque gostei do modelo e desse detalhe de tachinhas douradas - uma pequena concessão ao espírito da minha perua interior, afogada sem muita piedade em oceanos de cerveja Malzbier e Cuba Libre ao som de Bauhaus em festas góticas nos anos 90.

image

image

Como tem esse leve saltinho eu uso apenas em ocasiões especiais, onde tenho que estar fofa e sei que não vou andar muito.

Ou seja: quase nunca. :)

Petersham Nurseries

image

Desculpem o spam de fotos que segue, mas é que eu simplesmente não resisto a esse lugar; infelizmente sempre que estou lá me dou conta de que não levei a câmera… Bloody typical. Lá vai o iphônico trabalhar de novo.

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

Petersham Nurseries fica numa área agradabilíssima de Richmond, e mesmo que você não queira comprar plantas eu recomendo a visita porque é tudo ridiculamente lindo. Parece que você entrou num conto de fadas. Infelizmente quase tudo o que você viu aí são “antiguidades” (aham, velharias trazidas dos brocantes da França, mais provável; whatever) ou peças feitas por “artesãos” e custando Os. Olhos. Da. Cara. E provavelmente de outras partes do corpo também, caso você tivesse olhos lá.

Pode ser complicado achar espaço pra estacionar (ir de ônibus é uma idéia, embora para quem não more nas redondezas isso signifique uma viagem de metrô antes…), os frequentadores (com cara de quem têm casa de campo em Cotswolds e andam à cavalo nos fins de semana) te olham com cara de nojo, mas PLANTINHASSS. E vaquinhasss também, mas essas ficam para a próxima. ♥

Vale a pena a visita para encher os olhos, encher a barriga (no café e no restaurante, que inclusive tem duas estrelas Michelin - very chique, benhê) e talvez encher um vaso com plantas, já que nem todas custam um rim. :)