Cereal Killer Café, Shoreditch

Semanas atrás fui conhecer o famoso (e polêmico) Cereal Killer Café de Shoreditch. Para quem não conhece, e se o trocadinho do nome ainda não foi dica suficiente, trata-se de um café especializado em servir cereal. E mais nada. Ok, eles têm torradas também, mas o carro chefe mesmo são os carboidratos em caixinha. Os gêmeos proprietários, hipsters born and bred (incluindo o cabelo cinza + barbas da moda), explicam que recebem desde pedidos de casamento de quem amou a idéia a ameaças de morte de quem achou tudo muito ridículo.

O café fica no número 139 da Brick Lane (onde rola o famoso mercado nos fins de semana) e se você não prestar atenção vai perder a portinha pintada de preto e sem placa. É um lugar para quem definitivamente gosta de cereais, como se pode perceber:

image

image

A oferta é vasta, entre cereais nacionais e importados de todo o mundo - especialmente dos EUA. Você escolhe o cereal (ou o mix de cereais) + o leite (integral, semi ou soja, que é gratuito mas você pode incluir um shot de aromatizante por 40 centavos) e os toppings (60 centavos cada). Outra opção é selecionar alguns dos “combos” que eles disponibilizam; no menu do site você pode ver todas as opções. Uma delas se chama “cocô de unicórnio” e parece que a escala Pantone vomitou arco íris na sua tigela.

Ready to tuck in?

image

Eu, sempre comedida (mentira, é que eu não tinha visto a opção colorida, rárá), pedi Reese’s (cereal de manteiga de amendoim), shot de caramelo no leite e, como topping, um simpático Happy Hippo. ♥ Saudades de comprar Happy Hippos todo fim de semana quando morava em Jersey, onde por algum motivo que desconheço eles são mais populares do que aqui. A cobertura de golden syrup Lyle’s é cortesia da casa, e a luminária é uma tigela de cereal do seriado Dukes of Hazzard (a série original, dos anos 70/80):

image

image

Não lembro qual cereal minha companhia pediu, mas ela preferiu o leite puro e se arrependeu amargamente (no sentido literal da palavra) de ter pedido um café. Eu tomei apenas o leite que sobrou depois que despejei metade da garrafinha na tigela.

image

image

Veredito: tarra bão. ♥ As partes chatas:
- O café aparentemente não é bom;
- As tigelas poderiam ser mais bonitinhas (e mais bem lavadas, sinceramente);
- A porção “média” é na verdade meio pequena (essa tigela sumiu em segundos e eu como devagar);
Agora eu quero voltar pra experimentar outras misturas. Damn. :(

Quem pediu esse chocolate quente aí embaixo se esbaldou, hein? Risos.

image

Eles também vendem inúmeras tralhas relacionadas a cereais: chaveiros, carteiras, cadernos, canetas, etc. Aparentemente há uma coleção de memorabilia cerealística em exposição no porão do café - todos aqueles brindes cafonas de plástico, bonequinhos toscos, canecas comemorativas, tigelas que você ganhava se juntasse dez embalagens para trocar, etc. Eu não tive chance de visitar nesse dia mas pretendo em breve; aguarde. :)

image

A “polêmica” vem do fato de ser uma empreitada meio modernete e “desnecessária” num lugar considerado de baixa renda. Na época em que o café abriu lembro que houve um intenso debate nas redes sociais sobre a validade de se cobrar 3.50 numa tigela de ceral numa área “pobre” como Shoreditch; mas a mesma área tem diversos cafés de rede, como Starbucks (muitos que inclusive se valem de artimanhas jurídicas para evitar pagar impostos em solo britânico), várias lojas de produtos vintage de grife (ou seja, não exatamente baratos ou necessários) e ninguém está reclamando… Shoreditch há muito tempo já foi invadida pelos hipsters e seus cafés artesanais/pães orgânicos/sanduíches veganos/bolos sem glúten cobrando muito mais caro e não entendi a razão de direcionar todo o ódio para os gêmeos dos sucrilhos.

Lembro de ter ficado sem entender argumentos como “esse é o preço de uma caixa inteira de cereal!”, quando é óbvio que uma caneca de café no Starbucks também não custou exatamente o mesmo que você paga por ela - a diferença entre o custo de produção e o preço de revenda é o lucro do comerciante, ora bolas. Ninguém abre um estabelecimento para vender coisas pelo mesmo preço que comprou. Existem contas, aluguéis e salários a pagar, e o dono do café precisa comer.

Alguns dias depois da minha visita o Cereal Killer foi alvo de uma passeata promovida por um “grupo de radicais de esquerda” que atende pelo simpático nome de Fuck Parade, com direito a pessoas usando máscaras de porco, carregando tochas acesas e gritando palavras de ordem. Tinta vermelha foi jogada nas janelas (escreveram a palavra “escória”) assustando clientes no estabelecimento. O protesto é válido e conta com a minha aprovação já que vivemos numa sociedade livre, e o conceito de “limpeza social” realmente dá arrepios; eu só acho o foco meio equivocado uma vez que o processo de gentrificação já estava instalado quando esses moços chegaram e o máximo que eles fizeram com o hype foi trazer mais gente para uma área que fica meio abandonada durante a semana, beneficiando assim todo o comércio local. O assunto não é tão simples e eu poderia falar por um bom tempo - mas hey, esse é um blog sobre lifestyle, e não sobre política/economia. Nevermind. ;)

E você, iria a um café para comer cereal? :)

No comments

Os comentários são moderados para evitar spam. ♥