Easy like sunday morning.







Nova caneca preferida da semana. Pip Studio, I love you. ♥



Nova geléia preferida da semana: as fatias inteiras de laranja: ♥







Pain au chocolat dele. O meu pain aux raisins já tinha acabado. ♥

Agora vamos terminar de acordar, decidir entre um piquenique ou um almoço no café do parque e aproveitar o segundo dia do último feriadão até o natal. Em meio a uma heatwave. Faz calor, mas os dias estão cada vez mais lindos. E a minha estação favorita já se anuncia nas maçãs amadurecendo nas árvores.

It's (slowly) getting better.

Our memories depend on a faulty camera in our minds















































Café da manhã à francesa na Patisserie Saint Anne em Hammersmith, esticar as pernas em Chiswick, almoçar dim sum com cerveja no Steam e de sobremesa o pior cupcake da história da humanidade na Lola’s em Covent Garden. Eu podia ter comprado duas cartelas de adesivos coreanos na Artbox pelo preço desse negócio. Já comi dois lá e não gostei de nenhum.

Note to self: em 90% dos casos cupcakes são um desperdício de tempo, calorias e dinheiro. Fora que costuma ser coisa de mocinha querendo parecer fofa e você não quer parecer fofa. Desista. Compre um bolo inteiro. :)

I'm a Butterfree.

Outro dia eu vi as primeiras folhas amarelas numa árvore e isso me bastou para me deixar dividida. Se por um lado esse verão bombou no mau sentido (ou seja, chegou explodindo tudo, inclusive alicerces dos quais eu dependia para o meu bem estar mental e felicidade) por outro me parece ainda muito cedo para tirar as botas de cano longo da gaveta.



Quem sabe só dessa vez eu gostaria de esticá-lo um pouco mais. Umas duas ou três semanas, pra caber talvez uma minitrip para Jersey ou Cornwall (que eu já tinha planejadas, mas tive que des-planejar), ou mais uns dias indo bater perna no centrinho de chinelo com um sorvete derretendo casquinha abaixo e deixando as mãos meladas, mais uns dias de pôr do sol dourando as águas do Tâmisa enquanto eu caço monstrinhos de pixel em Canary Wharf, mais uns dias sentada na grama do Hyde Park com um ipad e uma marmitinha contendo junk food japonesa do oriental market, mais uns dias mergulhando semipelada no Ladies' Pond de Hampstead Heath (onde por motivos óbvios não dá pra fazer foto, mas imagine um paraíso no meio da cidade), mais uns dias sem que o peso dos casacos, pulôveres e cachecóis sobre a pele não servisse de metáfora para o peso dos problemas a resolver e das tristezas irresolvíveis que a gente carrega vida afora.

Mais uns dias pra sair de short e camiseta, como se vida pudesse ser tão leve e descomplicada como o meu guarda roupas de verão.







E isso me deixa cabreira, porque de outra feita eu sou um bicho do inverno. O outono nem começou ainda e eu já quero cashmere, bonfire night, folhas caindo, halloween, manta de lã, pumpkin spiced latte, música de natal nas lojas, luzinhas piscando, edredon no sofá, pijama de flanela, lareira, botas de cano longo, meias de dedinho, mince pies, festas de natal da firma, january blues, valentine’s day, neve.

O verão pra mim às vezes se torna essa coisa opressiva, trazendo a obrigação moral de sair, se divertir, curtir o sol, provar pra si mesmo e pro mundo que vocêe está having a great time - quando tantas vezes “having a great time” na sua opinião significa se alojar embaixo de um cobertor tendo spotify, netflix e um pacote jumbo de biscoitos à mão. O verão às vezes é uma das coisas que eu olho e penso, “já passei da idade”. Talvez porque tenha perdido a graça, eu tendo vivido tantos anos num país onde verão era sinônimo de "escaldante" e "interminável".







Mas terminando o verão está, e em breve os dias serão curtos e escuros e eu talvez não tenha o conforto de um ou outro casulo emocional ou físico para deixá-los também quentinhos e confortáveis. Talvez os casulos possíveis me tragam ainda mais desconforto e eu precise forçar a casca, quebrá-la e sair, mas as asas ainda frágeis e úmidas dessa minha crisálida metafórica não vão mais encontrar o calor do fim do verão e nem a cor do fim da primavera. As rosas já terão empacotado pétalas e brotos até junho que vem, o sol vai despencar para trás do horizonte às quatro da tarde e o projeto de borboleta fora de época vai ter sorte caso sobreviva.

Ou não.
Borboletas precisam de sorte. Mas a sorte do dia aqui é que as minhas analogias são sempre muito ruins na fracassada tentativa de soarem poéticas e eu não sou uma fucking borboleta. Eu sou um Butterfree.



And I'll be flapping those wings about. I'll be flapping those wings like whoa. :)
Winter, my bae. Just you wait.

E pra adicionar uma dose merecida de fofura, "shameless bengal appreciation post":















Eu estou roubando esse gato? Provavelmente.
Ou melhor, ele está de mudança.

The Week.





Verão chegou atrasadíssimo mas chegou né? Dispenso temperaturas beirando (ou acima de) 30 graus - mas céu azul e poder passear de chinelinho? Hell yes. Bring it on.





O gato bengal do vizinho anda se engraçando pro nosso lado. Visitas quase diárias incluindo tomar conta do meu sofá e dormir o sono dos justos. Outro dia pernoitou no conservatório. Considerando seriamente me mudar e inclui-lo na mudança. :)



Comprar doce japonês/chinês/coreano só por causa da embalagem fofa: quem nunca.



Pub lindo em Coulsdon Commom, Surrey; olha essa fachada. "Vintage" realmente define.

Pena que a comida era mais ou menos. A apresentação desse croquete aí embaixo, vou nem comentar. Criancinhas do Masterchef Junior fariam melhor. Up your game, galere.



As lulas fritas estavam ok, no entanto.



A chicken pie também, mas o purê de batata...



O bolo de framboesa do menu de verão da Ikea por si só vale a viagem até a sua filial mais próxima. Esse recheio? Parece sorvete. Quero outra fatia agora.



Sushi do Wasabi comido na tampinha da marmita de chicken teriyaki do colega + strawberry daiquiris no Missoula de Birmingham. A segunda taça eu derrubei no chão e o bar inteiro aplaudiu. Bêbado só faz vergonha, etc. Mas palmas para o barman, que me serviu outra de graça. Há micos que vêm para o bem.



Coleguinha que faz bolo red velvet em casa e convida para comê-lo: melhor coleguinha. :) Girl didn't skimp on the frosting: olha esse oceano de creme. Dá vontade de mergulhar.



Ir pra Camden não é mais tão legal quanto há uns dez anos (porque superlotado) mas ir pra Camden é sempre legal. Especialmente pra comer junk food à beira do canal, num pátio cheio de barraquinhas de comidas hipster. Escolha seu sabor de sorvete, seu sabor de biscoito, sua cobertura e pode chamar o SAMU.



Tinha pedacinhos de biscoito dentro do sorvete. Halp, Aplusk.



Banquete libanês em Shepherds Bush; isso aí era só a entrada.



E isso aqui? Era a continuação da entrada.



E isso aqui era a sobremesa.



Não vou mostrar o prato principal porque um prato com diversos tipos de carne desfiada pode ser uma delícia, mas não é exatamente fotogênico. Mas basta dizer que eu saí do restaurante rolando. Como deve ser.

Porém eu não sou muito fã de doces árabes (não curto mel, pistachio ou massa folhada, mas é claro que comi assim mesmo), daí decidi comer sobremesa (de novo) em outro lugar:



- Por que coca diet se o bolo tá cheio de açúcar e creme? Não faz sentido.
- Licença poética.

Chatos que não entendem o conceito de DAMAGE CONTROL merecem respostinha irônica.

Latte art:



Aqui não teve art (nem era latte), mas teve uma hora de papo entre um compromisso e outro durante um dia horrível cheio de notícias horrorosas. Eu realmente precisava desse café e dessas risadas.



Esse post (uma espécie de "momentos legais da semana anterior") deveria ser entrar toda segunda feira e hoje é QUINTA? Sorry about that. ¯\_(ツ)_/¯