Happy Father's Day

Obrigada por amá-la. Obrigada por cuidar dela. Obrigada por assumir toda a despesa, burocracia e encheção de saco a fim de trazê-la para mim. Obrigada por aceitá-la na nossa cama na Alemanha - especialmente durante aqueles dois meses onde eu, deprimida, entediada e cansada do frio e da escuridão, voltei sozinha para Jersey e deixei vocês dois naquele apartamento claustrofóbico para se conhecer e começar uma amizade. Obrigada pelos telefonemas com “cat updates” onde você me informava que estava indo para cama “com o meu livro e a sua gata”; às vezes não havia livro, mas havia sempre a gata.

Obrigada por comprar as guloseimas favoritas, pelos apelidos engraçados, por compôr canções para ela, pelas risadas diante dos seus pequenos (e grandes) fracassos (não era a felina mais ágil, graciosa ou esperta do planeta…) e por nove anos de afagos no seu pêlo macio e brilhante enquanto ela se aninhava ao seu lado absorvendo calor e afeto. Obrigada por não perder a calma toda as vezes em que ela vomitou no carpete ou fez cocô no sofá. Obrigada pelas vezes onde você teve que limpar aquela bunda (desculpaí a indiscrição). Obrigada por dizer ao veterinário “não importa o preço” quando ela esteve prestes a perder o olho para uma infecção; você poderia simplesmente ter autorizado que arrancassem, mas pagou uma fortuna para salvá-lo. Obrigada por acordar a cada três horas para pôr colírio durante pós-operatório e ter que correr atrás dela pela casa assim que ela passou a associar o som do alarme com situações desagradáveis e caía fora quando ele tocava.

Obrigada por ir atrás dela quando ela “brincava de fugir” e chacoalhava o barrigão redondo na rua pra cima e pra baixo, feito um barril de pêlos rolando a ladeira. Obrigada por dar de presente de natal aquela cama suspensa que a gente pendurava no aquecedor e por ajeitá-la ali com o seu cobertorzinho favorito e por não se mexer quando ela adormecia tranquila no seu colo e você não queria acordá-la. Obrigada por lhe afagar o narizinho - ela adorava. Obrigada por sair no meio da noite (meia noite, pra ser exata) procurando um supermercado 24h a fim de comprar um edredon novo porque ela tinha feito xixi na cama *exatamente* quando chegávamos em casa cansados depois de uma semana fora; obrigada por mesmo assim deixá-la dormir na cama aquela noite.

Obrigada por saber o quanto ela significava pra mim e amá-la por isso, mas obrigada também por deixar que ela conquistasse você e entrasse no seu coração. Obrigada por segurar minha mão quando o veterinário friamente recomendou o impronunciável “provavelmente seria melhor…”. Obrigada por segurar minha mão na saída e me dizer “não importa; vamos tentar”. Obrigada pela sua coragem ao dar as injeções duas vezes por dia sob o pêlo das costas e, tão carinhosamente quanto possível, fazê-la engolir comprimidos. Obrigada por nunca demonstrar raiva, frustração, cansaço ou reclamar, nem uma vez. Obrigada por ter dado a ela uma chance, obrigada por aqueles quatro meses de extras de amor, abraços, passeios no sol, franguinho cozido, afagos no nariz e sonecas no conservatório que não teriam existido sem você e pelos quais serei eternamente grata. Obrigada por segurá-la no colo enquanto ela aos poucos nos deixava (em casa, naturalmente, me poupando da terrível decisão num ato final de gentileza) e por comprar aquela caixa de ferramentas laranja na B&Q onde eu fiz um desenho dela e então depositei seu corpinho embrulhado no cobertor preferido junto com um pacote do seu biscoitinho favorito enquanto cantávamos as canções que fizemos para ela.

Obrigada por abraçá-la com tanta ternura na última noite, naquelas horas que eu não sabia ainda serem as finais enquanto eu fazia a última foto; eu fiz *tantas* nas últimas semanas imaginando cada uma como a derradeira e no fim essa veio sem pensar - eu só queria guardar aquele momento, e aquele amor, pra sempre. Obrigada por chorar. Obrigada por me abraçar enquanto eu chorava como se uma parte assustadoramente imensa da minha vida tivesse deixado de existir, porque você sabia que sim. Obrigada por todas as vezes que você diz “I miss your cat” e logo corrige para “I Miss Her”. Obrigada por não desistir dela. Obrigada por amá-la. Ela te amou de volta. Ela te amou de volta.



No comments