Peace is a fickle bird.



ontem foi o dia mais curto do ano. a luz chegou tarde, preguiçosa e relutante, e se retirou cedo. a partir de hoje a contagem regressiva para o verão se instala. as pessoas falam nas redes sociais sobre o começo da estação e é verdade que ainda temos dois meses de clima frio e noites longas pela frente; mas pra mim, a partir desse momento, o inverno já começou a morrer.

yup, you got it. eu sou a alegria da festa.

eu gosto do inverno, mesmo com essa vontade de hibernar. no momento só estou aceitando trabalhos que possa fazer em casa e mal saí porta afora desde que dezembro começou. as ruas de dezembro são cruéis, tomadas por uma horda de pessoas apressadas e nervosas carregando o natal em caixas. elas se irritam com vendedores lentos e com casais de idosos que caminham devagar, arrastando o peso de dezenas de natais passados e seus fantasmas. eles já viram essa correria antes, eles sabem que não pertencem mais. e assim como eu, talvez também pensem: "por que todo mundo espera dezembro chegar pra comprar presentes que estão nas lojas o ano inteiro?" o fato de que as pessoas optam por ir às compras exatamente quando os preços aumentam, tudo esgota logo e as lojas estão lotadas eu jamais vou entender.



resolvi não ir para o centro, cancelei com o amigo com quem ia tomar café e acabei dentro da H&M local comprando o pijama de natal 2016: um suéter creme + um legging cinza de tecido mais encorpado e costura frontal, que lembra calças de montaria. ok, então não é realmente um pijama, mas achei mais prático passar o natal vestindo algo quentinho, confortável porém arrumado e que eu possa vestir no dia a dia depois. eu não uso pijamas para dormir anyway (eles esquentam e sobem pelas pernas) e esse ano teremos companhia em casa no dia 25, então é melhor eu fazer um esforço pra não receber de camisola.

agora estou questionando a idéia de comprar um suéter CREME para usar no dia de maior comilança do ano. oh well: removedores de manchas embaixo da árvore de natal.

enfim, chega o momento em que você (ok, no caso eu) coloca a escada no meio do corredor, abre a portinhola do sótão e começa a descer o natal. aos poucos, dentro de caixas empoeiradas, de onde você esperar tirar apenas coisas bonitas e brilhosas mas NENHUMA ARANHA (por favor). as últimas semanas de dezembro merecem ser só boas surpresas e celebração, afinal tanta gente teve um ano tão difícil. a nível pessoal esse foi o ano em que perdi minha amiguinha de 16 natais, e foi para ela que comprei uma das poucas novidades na árvore:



esse é o momento em que as pessoas fazem balanços, começam a redigir listas de resoluções, ruminam o que foi vivido e planejam o futuro. quase sempre tem uma dieta na to-do list de janeiro, porque em dezembro ela não cabe. em janeiro somos nós que não caberemos em nenhuma calça, mas até lá tem você (ok, no caso eu) abrindo o pote de creme de leite com sherry às nove horas da manhã pra fazer "sherry coffee" e só rodolfo a rena de nariz vermelho (possivelmente também bêbado) pode julgar.



minha árvore de natal é um work-in-progress durante dezembro. gosto de montá-la um mês antes da data, o que pra muita gente aqui é o cúmulo do afobamento. os mais blasé só montam na semana do natal. mas qual a graça de ter todo aquele trabalho pra ficar tão pouco tempo admirando a obra de arte? eu não seria capaz de fazer um FILHO tão bonito quanto a minha árvore (a genética também não colabora), cheia de penduricalhos aleatórios que resgatam a lembrança de momentos e lugares e pessoas. por mim a árvore já estaria dando as caras no instagram em meados de novembro e fuck the pinheirinho police.

acho que esse enfeite é o mais caro que eu tenho. custou 9 euros numa barraquinha do mercado de natal de hannover:



e o mais barato custou zero brexits e ganhei na pizza express (era só o traçado, mas eu pintei com canetinha #crafty):



eles estavam dando "só para crianças". RISOS. minha mão continuou estendida. criança tem cartão de crédito pra pagar pizza e decide onde a família vai jantar? didn't think so. passa esse bagulho pra cá, amigo. merry f*cking christmas to you, too.

gosto tanto de árvores de natal que não tenho uma só. além da oficial eu não posso esquecer das duas pequenas que comprei pra me consolar em 2011 quando metade de minha vida estava cuidadosamente acondicionada dentro de contâiners de mudança e eu não tinha uma christmas tree pra chamar de minha. eis a number #2, meio desconjuntada e com essa coloração estranha porque usei tinta esmalte para fazer "fake snow". pendurei bolas baratas da poundland e quando acesa a bichinha brilha mais do que bochecha de kardashian.



e a pequenina number #3, que eu nem ia decorar esse ano mas eu antropomorfizo objetos e achei que ela se sentir rejeitada com as irmãs mais velhas ganhando todos os holofotes e luzinhas e enfeites. coloquei essas bolinhas vintage que eu adoro mas são pequenas demais para as outras árvores, uns piscas que mudam de cor, amanhã entram mais penduricalhos que eu resgatei da garagem e pronto; salvei uma árvere da depressão de fim de ano #AsArveresSomosNozes



dezembro é o mês de apreciar coisas simples. esperar pelo comercial da coca cola, receber um cartãozinho no correio com uma mensagem querida escrita à mão (so vintage), pôr roupa de cama nova que você (ok, no caso eu) comprou para o natal mas colocou pra jogo em novembro mesmo porque as outras estavam sujas e no one cares, os filmes que você assiste todo fim de ano porque as emissoras de tv sabem que há conforto na tradição (e porque eles são antigos e baratos), aquela tradição nada confortável do "amigo oculto da firma" mas tudo bem porque depois vai ter bebida e quem sabe você termina o ano beijando o crush, ter que ouvir a Simone no rádio questionando "então é natal e O QUE RAIOS VOCÊ FEZ SEU MISERÁVEL" e isso desencadear uma bad que durará dias pra passar, a mãe se perguntando pela enésima vez "faço peru de novo? mas ninguém gosta de verdade de peru; é muito seco. que tal um tender?" quando deus e o mundo sabem que no dia 24 vai estar lá a p*%$# do peru no forno de novo, a prima chata e seus papos chatos de "calcinha da virada" e "será que eu uso vestido branco, dourado ou prateado?" e você "fia go naked no one gives a single fuck" mode on.

acho isso aliás de vital importância nas festividades dezembrinas. lembre-se que ninguém liga pra você (e pra sua roupa, pra sua opinião política, pra sua homofobiazinha de estimação, pro seu voto, pro seu discurso chato de dce, pra cor da sua calcinha). as pessoas ligam para o peru. mentalize peru. pense peru. THINK TURKEY.











eu passo o ano todo esperando dezembro chegar pra tirar essas meninas da caixa. aren't they the sweetest? my little angels. coloquei uma flor nas mãos da anjinha do meio.



esse ano resolvi construir uma macumbinha pra elas. taquei umas pinhas, bolas e berries ancestrais em volta e espero que o calor das velas não derreta as bolas (que são de plástico), oremos.









esse ano também fiz uma winter scene usando casinhas que eu já tinha + outras que comprei para a ocasião. algumas têm luzes que funcionam à bateria, outras precisam de velas. a idéia era colocar algodão pra fazer as vezes de neve, mas é lógico que me entediei no meio do projeto. outra resolução para 2017: mais paciência, mais perseverança.





just THINK SNOW.



acabo de começar uma tradição: canecas dos mercados de natal de hannover. outra desculpa para bater ponto lá todo ano, como se eu precisasse de mais uma (desculpa OU caneca):



de hannover também veio esse enfeite. tinha "love", "peace" e outra coisa obviamente menos importante pra mim porque não lembro (ou seja, não era "food"). trouxe a paz porque gostei da pombinha; mas infelizmente quando cheguei em casa, e logo depois de receber as notícias do atentado ao mercado de natal de berlin, me deparei com isso. peace had been broken. não apenas na alemanha, mas no mundo inteiro. e nas redes sociais, nas relações pessoais, no oriente médio e no nosso quintal.



ou, se você prefere uma interpretação menos pessimista, ela está simplesmente deixando a pomba livre para voar. sabendo que ela sempre volta.



talvez diferente, talvez até seja outra pomba, talvez volte para outras mãos porque a gente muda também. é verdade que no inverno os pássaros buscam outros destinos e mais calor. but the inner compass is always pointing back home. they will be back.

paz para o próximo ano. é tudo o que eu espero para todos nós.
have a merry and peaceful christmas. ♥

No comments