After the rain.

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

voltei do feriadão e encontrei roseiras desabrochando rosas gigantescas, fuschias 100% abertas, abelhas fazendo um banquete nas verbenas e nenhuma planta morta ou devorada por lesmas. i call it success, bitches.

a bem da verdade nós não temos exatamente um “jardim” aqui. é difícil cultivar qualquer coisa com o pé de carvalho e suas enormes raízes de 200 anos sugando quase toda a umidade do solo e obstruindo quase toda a luz do sol - por isso a grama na verdade é um matagal controlado e a maioria das minhas flores sobrevive em potes.

mas eu não penso em derrubar a árvore (nem poderia, ela tem uma ordem de proteção ambiental) que fornece ninho para os melros e abrigo para as pupas de borboleta. os esquilos roem os brotos do carvalho na primavera e no outono abrem buracos no chão para enterrar suas nozes e guardar alimento para enfrentar o frio. o carvalho exige, mas retribui.

e quando os pássaros que voltaram do exílio de inverno iniciam a sinfonia matinal/do entardecer e eu abro uma garrafa de vinho ou coca zero para acompanhar a performance, então esse jardim estropiado, com plantas caprichosas, pombos histéricos e insetos inoportunos é o meu lugar preferido em todo o universo.

Thirty in tree.





image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

menos de três dias em terras irlandesas regados a guinness (não sou fã de stout porém é verdade que ela é mais gostosa lá, mesmo que seja apenas sugestão mental) e tentando cumprir um roteiro com muita coisa pra ver em pouco tempo. devo ter conseguido riscar metade da lista, e sendo eu essa turista preguiçosa e lenta já considero vitória. :)

dublin é definitivamente uma cidade jovem. muitos hipsters barbudos, quase nenhum carrinho de bebê. vi poucos idosos, poucas crianças, poucas minorias étnicas, MUITO restaurante mexicano, donuterias e, infelizmente, pedintes. vi muito menos brasileiros do que esperava. irlandeses passam manteiga nos scones ao invés de clotted cream, dormem tarde e acordam tarde aos fins de semana (ruas vazias às nove da manhã, impensável nessa minha megalópole) e comigo foram muito gentis. no quesito gororoba foi meio hit or miss, deu super certo algumas vezes e super errado em outras. há programas que eu não repetiria e outros que me fariam voltar amanhã - a sopinha de frutos do mar do the bank, por exemplo. ♥

para quem estiver interessado o resto das fotos com outros comentários da viagem estão aqui - backdated porque eu não queria entulhar o feed de vocês com fotos de celular e ramblings desconexos.