The most wonderful time.











🌟 você acreditava em papai noel?
eu sempre achei a história do bom velhinho no pólo norte meio "bitch, please", mas quando meus pais fizeram marcas de trenó no jardim e cortaram um pedaço da cerca a fim de me convencer que papai noel tinha passado por ali eu fiz as contas: o trenó VOA, não anda na terra, e se ele voa pra que cortar a cerca? well, nope. mas lembro de ter ficado encantada por eles terem tido a idéia e aquele trabalho todo por mim.

🌟 peru ou pernil?
carboidratos. tô aqui pela farofa.

🌟 quando você começa a decorar a casa?
a tradição é montar a árvore no dia 22... de novembro. nesse país é comum esperar a primeira semana de dezembro ou decorar apenas na semana de natal; alguns loucos decoram somente na véspera! no way, adalberto; mesmo que a minha árvore não seja atração turística da vizinhança ela me custa um trabalho considerável para tão breve proveito. vamos estender esse clima natalino aí.

🌟 cheiro favorito do natal:
castanhas assadas, bacon fritando, panetone... sim, eu cheiro o panetone. yes, i'm a maniac.

🌟 filmes de natal favoritos:
esqueceram de mim (o primeiro, e só ele), scrooged com o bill murray, a christmas carol (alastair sim, melhor scrooge), meet me at st louis, it's a wonderful life...

🌟 um natal memorável:
val d'isére em 2005 (muita neve, muita comida) e outros que valeram pela companhia ou pela mágica de ser criança e ainda não ter sido contaminada pelo ceticismo e pela preguiça (e pelo fim dos especiais de natal da xuxa - real tragedy).

🌟 melhor música natalina?
christmas carols ou qualquer coisa com o bing crosby ou dean martin. e depois que george michael se foi eu perdi a preguiça que tinha de "last christmas".



a árvore-piada que ganhei de um amigo. não trocamos presentes, trocamos ZUERA porque só nos presenteamos com coisas que sabemos que o outro não suporta. já ganhei roupa branca, cd do ac/dc, um frasco de l'air du temps, sapato de salto, camiseta do flamengo, etc. comentei com ele que não curtia muito árvore de natal de verdade porque fazia muita sujeira e dias depois essa aí chegou pra mim. por sorte ele escolheu uma pequena e viva (roots, bloody roots), e devo dizer que tenho até curtido tê-la no background enquanto me esparramo no sofá ouvindo cindy lauper. depois do natal vou plantar no jardim.



coincidência ter feito uma foto do meu celular, tela trincada e tudo, na véspera em que ele foi roubado no shopping de stratford; não cabia direito no bolso do casaco e maluco só teve o trabalho de puxar. oh well. parabéns à vodafone por ter substituído o sim card no mesmo dia - e por ter me enviado um celular extra por engano (!!) quando refiz o contrato e que pra minha sorte eu desisti de vender no brasil. lado positivo: não vou ter que mandar trocar a tela. teehee.







a velha guirlanda de hera que ressuscitei e que eu refiz e redecorei com uns extras.





playlist de mais ouvidas de 2017 no spotify. ♥











a árvore aqui é meio caótica e não segue nenhum padrão de beleza imposto pela sociedade (#FuckYourArborealBeautyStandards) porque ao invés de enfeites de bom gosto num esquema de cores monocromático eu gosto de pendurar tralhas acumuladas através dos anos - que não combinam entre si porque representam fases tão díspares que às vezes eu me pergunto se pertenceram à mesma vida.



esse tamborzinho foi o primeiro enfeite que eu comprei para a primeira árvore de natal que eu escolhi - galhos no melhor estilo "escovinha de limpar garrafa" e que mais parecia uma araucária do que um pinheiro, mas que eu orgulhosamente carreguei pra casa com ajuda de um amigo sob o carioquíssimo sol de dezembro (leia-se: fritando ovo na calçada), me sentindo super feliz com a compra e curtindo a expectativa pelo natal que eu estava começando a fazer do meu jeito.



logo em seguida veio esse ratinho do relógio, que eu comprei para a mesma árvore e por anos foi o meu penduricalho preferido. achei numa papelaria mequetrefe em duque de caxias e fiquei fascinada, porque naquela época não se encontrava nada legal assim nas lojas; o máximo eram uns pacotinhos de presente mal embrulhados com celofane dourado. nada contra celofane dourado, inclusive tenho amigos que são, mas enfeite de resina com layout decente, cores realistas e toque de fofice animal? me vê duas dúzias.



o anjinho na verdade é um bibelô e não um enfeite natalino, mas eu penduro na árvore com a ajuda de um gancho de arame. me lembra aquelas deliciosas manhãs de sábado passadas na rua da alfândega, torrando o meu salário de fome em porcarias made in china. a gatinha eu comprei em 2016 para celebrar a chantilly.



esse chaveiro era do meu pai. ele não era católico de fato e não frequentava missas (apesar de ser devoto de são sebastião: tinha medalhinha, estátua e enquanto pôde visitou a igreja dele todos os anos) mas fazia doações para algumas caridades e recebia brindes em troca. achei esse durante a triste tarefa de esvaziar suas gavetas e decidi pendurar na árvore para marcar o primeiro natal que passo sem ele. curiosamente é o único enfeite que fica o tempo inteiro oscilando, bem de leve.



a vila de natal voltou esse ano, com adição de mais algumas árvores. só acendo no dia 24/25, porque preguiça sair apertando botãozinho disso tudo todo dia, me poupe salgadinho.



essa é a árvore número 03, a árvore de zuera, onde eu tenho liberdade criativa pra transformar o natal numa tela do romero britto cheio de crystal meth na cabeça, um estojo de 72 cores de sharpie na mão e citando meneghel VOU PINTAR UM ARCO ÍRIS DE ENERGIAAA



essas pombinhas de paetê (em variados esquemas de cores dignos de uma overdose de lsd) são a coisa mais ridícula e drag da face da terra, fazem seus ninhos anualmente na árvore da zuera e colocam ovos de prozac.



🌟 tradições boas e ruins de natal:
acho bacana que as pessoas encontrem um tempinho em suas agendas lotadas para dar um telefonema, preparar uma ceia, escrever um cartão, desejar coisas boas umas às outras. acho desnecessário o consumismo, a necessidade de seguir uma fórmula de como as coisas devem ser e de forçar uma reunião familiar quando algumas pessoas talvez preferissem estar em outros lugares, com outras pessoas, fazendo outras coisas. e claro, essa insanidade de esperar meia noite pra comer peru. QUEM JANTA MEIA NOITE, MEUS AMIGOS. stop that bullcrap, stat.

🌟 dar ou receber presentes?
não temos o hábito de trocar presentes e eu (talvez por conta de uma falha na matrix emotiva) nem mesmo entendo bem como isso funciona. você gasta dinheiro e fica ansioso escolhendo/comprando cacarecos de forma não-espontânea para outras pessoas sem saber se elas vão gostar e em troca recebe delas coisas que talvez nem goste? que desperdício de tempo, energia e dinheiro - que poderia ter sido usado para que cada um comprasse para si o que realmente queria/precisava. prefiro que me paguem um café, me dêem um gift card ou simplesmente não sejam escrotos comigo - o presente que eu mais valorizo e que quase nunca recebo.





testando a mesa de natal - meramente decorativa já que certamente vamos comer no sofá, com esses pratos no colo assistindo algum programa natalino super trash.



🌟 a coisa mais frustrante do natal:
o dilema das passas. eu n ã o e n t e n d o como alguém pode não gostar de uva passa mas hey, coloque as ditas cujas no seu prato e deixa o resto comer farinha. coma o seu panetone e compre a versão chocolatuda pros sobrinhos... ninguém tem que brigar por causa disso, certo?

🌟 com que roupa você vai passar o natal?
quando eu era criança mamãe fazia pra todo mundo da casa uma "roupa nova de natal" e outra para o ano novo, mesmo que não fôssemos sair; era questão de orgulho e honra pra ela. hoje em dia (como eu não costumo ver ninguém além do respectivo entre 24 e 26 de dezembro) a tradição era comprar um pijama novo, ou pulôver + legging, e um par de meias felpudas para ficar confortável e quentinha no sofá. por preguiça e falta de opções interessantes eu acabei sem comprar nada em 2017, mas como os últimos anos têm sido meio ruins eu acho que já estava mesmo na hora de deixar essa tradição pra trás. :)

🌟 onde você gostaria de passar o natal se pudesse escolher?
num lugar com muita neve. ou num lugar de clima ameno, com meus amigos.

🌟 qual a melhor parte do natal?
a comida, a minha casa e a paz de saber que estou fazendo o que quero, onde quero e com a(s) pessoa(s) que quero.





comprei essa pulseirinha em hanover e fiquei meio bolada porque ela é tamanho infantil e ainda assim ficava saindo do meu braço pela abertura e caindo no chão - eu tenho o pulso mais fino "para uma pessoa que não tem o corpo da kate moss" do mundo. mas como ela é ajustável eu fui apertando até segurar no lugar - god bless stainless steel.

por que diabos eu comprei uma pulseira de criança que não servia pra mim? porque esse slogan vai ser meu lema pra 2018; apesar de um fim de semana onde praticamente TUDO tinha dado errado (quase batemos o carro por causa da neve, 8 horas trancados num barco porque o porto de calais fechou na nossa cara, mais neve no continente que transformou uma viagem de 6 horas em quase DOZE, celular roubado, etc.) eu tava lá, comendo donuts e comprando maquiagem barata com o cartão de débito alheio, registrando tudo num celular que por lei (e por larápio) nem devia existir. win? win as hell. tem dia bosta, tem dia bão: C'EST LA VIE, ladies and gentlemen.



IT THE MOST
WONDERFUL TIME
OF THE YEAR

(o enfeite é made in china, e a gramática idem)
merry christmas, lovelies.

No comments

Os comentários são moderados para evitar spam. ♥