Nostalgia is a bittersweet drug.





















































toda segunda feira pela manhã o celular informa que o meu "tempo de tela" vem caindo a cada semana. o desktop ainda é ligado todos os dias, mas ao contrário das 20 tabs de costume eu deixo abertas no máximo três ou quatro - as necessárias para trabalhar, o pinterest e o reddit. tenho evitado redes sociais desde outubro; o clima pesado daquela tenebrosa eleição já se dissipou, mas o bode adquirido de pessoas e atitudes (que não poupou lado algum do espectro político) continua por aqui, pastando absorto. e estupefato. no que foi que nos transformamos?

ao contrário dos dois anos anteriores, 2018 não me trouxe nada de ruim. mas também nada de bom.
ok, exceto o gato 2018 não me trouxe nada, e talvez seja por isso que eu esteja um tanto quanto perplexa observando o calendário avançar para a última casa do zodíaco enquanto ao meu redor os projetos de tudo o que eu pretendia realizar nesses doze meses se acumulam em pilhas intocadas. estariam cheios de teias de aranha caso o gato não tivesse tomado para si a tarefa de desinfestar a casa do modo mais orgânico possível. burp.

a sensação de fracasso é desagradável, e para evitar preencher o vazio com comida ou auto-piedade eu trabalhei um bocado e voltei a costurar. as sextas feiras sentadas em cafés com o objetivo de discutir formalidades e que terminam com a cliente imitando flatos vaginais com a ajuda de um canudo de bubble tea trazem risadas e uma estranha sensação de acolhimento. os dedos furados de agulha ao som de wolf alice viram blazers de feltro para bonecas, capas de almofadas, cortinas e a conhecida sensação de trabalho bem feito. de projeto finalizado. de algo tangível que não havia antes e agora graças a mim existe. at least something. this is good.

como é possível perceber, tenho passado muito tempo nesse quarto. removi alguns móveis, incluí outros (tenho tido sorte em brechós, e esse foi o ano de trocar a ikea pelo gumtree), tentando deixar o espaço com menos jeito de escritório (o que ele efetivamente é) e mais cara de quartinho de costura de avó (o que eu gostaria que ele fosse; ano que vem, talvez). me sinto como uma ursa polar preparando a toca para os longos meses de hibernação. é difícil fazer meus amigos solares entenderem o quanto essa época me contempla e faz bem; os demais ursos, no entanto, sacodem a cabeça numa compreensão cúmplice - if you know, you just know.

ainda muito clutter a ser eliminado. já comprei as caixas gigantes de plástico transparente; falta a coragem para enchê-las e despachá-las para o sótão. desisti da idéia inicial de despachá-las para o lixão comunitário porque minimalista sim, desapegada nunca. 2018 tem sido o ano de buscar e reencontrar (ou tentar emular) pedaços de mim mesma de 10, 20, 30 (!) anos atrás. tem esse verniz de encantamento nas lembranças mundanas de outrora que parece deixar resíduos em tudo o que é concreto aqui hoje, e que precisa mais do que nunca desse brilho.

tenho passado muito tempo em casa observando as estações mudarem lá fora. tenho mudado quase que diariamente a ordem dos objetos no vão da janela; plantas, velas, miniaturas e livros. tenho deixado a biblioteca fechada só pelo prazer de abri-la uma vez ao dia e ser recebida pelo aroma antigo dos nossos livros. registrei pouco do outono e não compartilhei muito aqui, mas tenho colecionado folhas de tamanhos e cores diferentes e deixado que sequem entre páginas de revista. um dia talvez virem um quadro; pedaços de vários outonos eternizados sob o vidro. um dia talvez sejam pedaços mundanos de um passado distante vistos sob o verniz nostálgico do tempo graças à minha incansável curadoria de memórias. vai ser bom tê-las guardado.

eu tenho um sótão grande. eu sempre tive.