St Sebastian's Day





Dia 20 foi dia de São Sebastião, padroeiro do Rio de Janeiro e santo de devoção do meu pai. Que não era uma pessoa religiosa e não frequentava igrejas, mas com mãe candomblecista aprendeu que dentro do sincretismo era filho de Oxóssi. Ele sempre usou essa correntinha de ouro com uma imagem do santo como pingente e só tirava para dormir; eram inseparáveis, Bastião and dad.

Todo dia 20 de janeiro ele me colocava num carro (passamos por fuscas, fiats, escorts e chevettes) e íamos juntos até a igreja de São Sebastião mais próxima. Minha mãe não se animava a ir, e depois que virou evangélica se recusava terminantemente - it was our thing então, programa anual de pai e filha a peregrinação ao bairro vizinho para acender uma vela, pegar uma fitinha do santo pra amarrar no pulso, agradecer a sorte e refazer promessas.  A igreja ficava no alto de uma ladeira e me lembro de um ano em que o carro pifou no meio da subida - por incrível que pareça bem em frente a uma oficina mecânica. Milagre de Saint Sebastian, certeza.

Ele foi todos os anos, enquanto pôde. Minha avó dizia que meu pai era de uma firmeza inatacável, que “o barco dele não andava, mas também não afundava”. Pois eu sempre achei que apesar de não ter dado nenhuma volta ao mundo ele até que andou sim, e de fato não afundou; ele se livrou de um monte de furadas tensas ao longo da vida - talvez por sorte, talvez por ser safo, talvez por destino. Eu gosto de pensar que teve um dedo de Tião nisso.

Papai viveu uma vida longa, confortável e livre de doenças até quase o fim. Viajou bastante, comeu o que quis, teve amigos, amores, desafetos, duas filhas, dois netos e aventuras que renderam muitas histórias para contar. A correntinha agora está comigo; não a uso muito por medo de perder, mas fica sempre perto de onde estou.

Valeu sebs, por cuidar bem dele. E se tiver um tempinho, cuide agora de mim também. Aquelas velas e fitinhas todas durante todos esses anos não podem ter sido em vão.

Love you long time,
Lolla

3 comments

  1. Que amor de post, Lolla! Amo objetos que carregam história. <3

    ReplyDelete
  2. Eu não estou chorando, você está :')
    São Sebastião certamente está contanto e recontando todas as vezes que esteve presente da vida do seu pai - e acredito que não foram poucas. He is in good company ♥
    (Também guardo uma correntinha que lembra meu pai, levo comigo na niqueleira)

    ReplyDelete
  3. Texto lindo, Lola! Coração ficou quentinho por aqui. Muito obrigada!

    ReplyDelete