Looking for flying saucers in the sky.















Kingly Court semi vazia na hora do almoço. Quem conhece sabe o quanto isso é… estranho.
E dentro do atual contexto, triste e assustador. 


Tenho evitado usar transporte público, mas às vezes tenho que ir à cidade por motivos de trabalho. Eu não ia almoçar, mas subi as escadas do que já foi meu point para tomar uma cerveja e comer uma pizza - com amigos, com respectivo, mas na maior parte das vezes sozinha. Ou melhor, na excelente companhia da minha cidade favorita, olhando as pessoas, vendo o movimento, ouvindo a conversa nas outras mesas, feliz no mundo ideal do introvertido: o de fazer parte de tudo sem ter que fazer parte de nada.


Mas naquele dia eu vi portas fechadas, cadeiras viradas em cima de mesas e o tudo tinha cara de nada. Tive vontade de comprar um croquete pra ajudar, tomar uma taça de Merlot, mas eu tinha compromisso para dali a pouco e não podia me atrasar. Prometi mentalmente voltar depois, mas o compromisso se alongou e eu quis voltar pra casa antes da hora do rush e assim evitar pegar metrô mais cheio.


Dia seguinte, falando com minha mãe no telefone ela me disse que prefere morrer a viver outro ano igual a esse. Protestei, mas estou sendo obrigada a não discordar. Viver não é só se manter vivo se entupindo de delivery e assistindo Netflix e agradecendo porque “PELO MENOS”. Se você não está tendo prazer algum nisso, qual a graça?


Por sorte muita coisa que me dá prazer, incluindo quase todos os meus hobbies, eu posso fazer no conforto e segurança do meu lar. Mas e as pessoas extrovertidas pra quem o prazer de viver está na rua, ao ar livre, nas festas, na convivência, no abraço de quem eles amam? Eu entendo demais o desespero. E meu coração, ainda que duro e geladinho, quebra um pouco por eles sim.

2 comments

  1. que bonito teu relato :') mesmo sendo triste.
    eu me sinto assim também, cansada do 'pelo menos'.
    minha mãe é um pessoa mega extrovertida e foi parar no médico porque teve crise de ansiedade. não tinha com quem falar pessoalmente. é difícil.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Minha mãe também. Ela tem depressão que se agrava muito com a solidão. É um momento muito difícil pra todos nós, mas principalmente pra quem vive só ou encontra conforto na presença de outras pessoas. Melhoras pra sua mamãe. ♥

      Delete